Civilização Significa Regulação

08 SI (artigo - Educação) Civilização Significa Regulação (1400) (pn) (bg)1

A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada
(excerto da obra Civilização e Transcendência)

Uma revista especializada enviou perguntas a diferentes líderes de variadas religiões. Uma das perguntas dirigidas ao movimento Hare Krishna foi: “É necessário jejuar e seguir outras dietas reguladas para haver vida espiritual?”. Neste, a resposta de Srila Prabhupada.

Para avançar na vida espiritual, a tapasya de jejuar e seguir outras dietas reguladas é compulsória. Tapasya significa aceitação voluntária de algo que talvez seja doloroso. Recomendamos às pessoas, por exemplo, que parem com sexo ilícito, intoxicação, jogos de azar e consumo de carne. Então, para aqueles que estão habituados a es­ses maus hábitos, talvez seja um pouco difícil no início. Porém, apesar da dificuldade, tais preceitos devem ser seguidos. Isso é tapasya. Para quem não está acostumado, levantar­-se de manhã cedo é um pouco difícil, mas é compulsório. Portanto, de acordo com os preceitos védicos, existem algumas tapasyas que devem ser executadas. O ponto não é se elas podem ou não ser seguidas, senão que essas austeridades têm de ser seguidas. Na Mundaka Upanishad (1.2.12), por exemplo, prescreve­-se que, se alguém deseja tornar­-se autorrealiza­do, deve aproximar­-se de um mestre espiritual: tad-vijñanartham sa gurum evabhi-gacchet. Não é, portanto, uma questão de opção, mas algo que tem de ser feito. A pessoa deve executar a ordem do mestre espiritual e a ordem do shastra, escritura. Quando você adota algo sem considerar a questão da conveniência ou inconveniência, mas adota a injunção apenas porque é algo que tem de ser feito, isso se chama tapasya. Tapo divyam (Srimad-Bhagavatam 5.5.1): Outras eminentes autoridades espirituais, como Rishabhadeva, recomendam que esta vida humana destina­-se à austeridade voltada para a compreensão de Deus, daí encontrarmos tantas regras e regulações em nossa civilização védica.

Bem no início da vida, a pessoa deve ser brahmachari, isto é, ela deve ir para a residência do mestre espiritual e agir como um servo humilde. Se o mestre espiritual disser: “Vá à floresta e traga lenha”, a pessoa pode ser o filho do rei, mas não pode se recusar a seguir a ordem do mestre espiritual. Até mesmo Krishna recebia de Seu mestre espiritual a ordem de ir à floresta buscar lenha, em virtude do que Ele tinha de ir. Embora Seu pai fosse Nanda Maharaja, um rei vaishya da vila, e embora Krishna fosse a própria Personalidade de Deus, Ele não podia recusar-Se, senão que tinha de ir. Nichavat: Tal qual um servo humilde. Brahmacharya, vida espiritual como estudante, é tapasya, e tapasya é algo tão essencial que a pessoa é obrigada a fazê-lo, sem alternativas.

Depois da vida de brahmachari, a pessoa pode se casar, o que quer dizer que ela entra na vida de grihastha, vida familiar, o que também é tapasya, pois ela não poderá fazer sexo quando bem quiser, senão que o shastra afirma: “Você deve fazer sexo uma vez por mês e apenas para gerar filhos”. A vida de grihastha, portanto, também é tapasya.

Atualmente, as pessoas não seguem tapasya alguma, mas a vida humana destina-­se a tapasya, a observação de princípios reguladores. Mesmo em assuntos ordinários, há tapasya. Digamos que você esteja dirigindo seu carro para tratar de algum negócio urgente, e você vê um sinal vermelho – você tem de parar. Não se pode dizer: “Tenho de estar lá em alguns minutos. Tenho de ir”. Não, você deve parar, e isso é tapasya. Destarte, tapasya significa seguir à risca os princípios reguladores, de acordo com a ordem superior. Isso é vida humana.

Vida animal, em contrapartida, significa que você pode fazer o que quer que deseje. Na estrada, os animais podem ficar à direita ou à esquerda, e a irregularidade deles não é considerada uma transgressão, porque são animais. Se um ser humano, todavia, não segue os princípios reguladores, ele é pecaminoso, e será punido. Consideremos o mesmo exemplo: Quando o sinal está vermelho, se você não parar, será punido, mas, se um cão ou um gato transgride a lei – “Não me importa se o sinal está vermelho; eu atravessarei” –, ele não é punido. Tapasya, portanto, destina-­se ao ser humano. É essencial que ele execute-a caso queira progredir na vida.

Discípulo: Então, Srila Prabhupada, tapasya inclui dieta regulada?

Srila Prabhupada: Isso também é tapasya. Proibimos, por exemplo, o consumo de carne, o que gera certos problemas em seu país. Desde o início da vida, a criança se habitua a comer carne, pois a mãe compra carne moída, mistura­-a com líquido e dá como alimento para o bebê. Eu vi isso. Praticamente todos cresceram comendo carne. Todavia, eu digo: “Não comam carne”, daí haver problemas, mas quem é sério quanto a se tornar autorrealizado tem de aceitar essa ordem. Isso é tapasya.

Tapasya se aplica à dieta, ao comportamento pessoal, às relações com os outros e assim por diante. Em todos os aspectos da vida, existe tapasya. Tudo isto é descrito no Bhagavad-gita: tapasya mental, tapasya corpórea, tapasya verbal, isto é, vaco-vegam, controlar o impulso de falar bobagens ou caprichos. Quando você fala, você deve falar sobre Krishna. Isso é tapasya. Também há tapasya com relação a krodha-vegam, o impulso de expressar a ira. Se alguém fica irado e deseja expressar sua ira batendo em alguém ou fazendo algo muito violento, a tapasya o restringirá: “Não, não faça isso”. Também há tapasya no que se refere à língua, ao estômago e aos órgãos genitais, pois não se pode comer qualquer coisa e a qualquer hora, tampouco se pode fazer sexo livremente, mas apenas de acordo com os preceitos escriturais. “Tenho desejo sexual, mas não posso ter relações sexuais agora, pois não é a ocasião apropriada”. Isso é tapasya.

Portanto, deve­-se praticar tapasya de todas as maneiras – no corpo, na mente, nas palavras, no comportamento pessoal e nos relacionamentos com os outros, e isso é o que caracteriza a vida humana. Tapo-divyam (Srimad-Bhagavatam 5.5.1): Se você deseja ser um ser humano e, sobretudo, se deseja progredir na vida espiritual, você deve agir de acordo com os preceitos do shastra, e isso é o que se entende por tapasya. Antes de poder participar da criação, Brahma teve de se submeter a tapasya. Não é isso que se afirma no shastra? Sim, logo tapasya é essencial; não se pode evitá-la.

E qual é o propósito da execução de tapasya? O propósito é agra­dar o Senhor Supremo através do mestre espiritual. Yasya prasadad bhagavat-prasado (Gurv-astaka 8): “Pode alcançar a misericórdia do Senhor unicamente quem obtém a misericórdia do mestre espiritual”.

Nas instituições educacionais da atualidade, quem está ensinando essa tapasya? Qual escola ou faculdade? Os alunos chegam a fumar em frente ao professor e ninguém diz nada. Nenhuma transgressão é censurada. O que se pode esperar de tais alunos? Isso é civilização animalesca, não civilização humana – não há nenhuma tapasya, nenhuma vida de brahmachari. Verdadeira civilização significa tapo divyam, austeridade religiosa. E essa tapasya começa com a vida de brahmachari, quando se aprende a controlar os sentidos. Esse é o início da vida, e não que você aprende apenas o básico e seu caráter é inferior ao de um animal embora você tenha um diploma universitário. “Não importa, o sujeito se tornou um homem erudito”, não, isso não é aceito.

Mesmo do ponto de vista da instrução moral básica, devemos perguntar: Quem, na atualidade, é educado? Chanakya Pandita descreve com estas palavras o homem educado:

matri-vat para-dareshu/ para-dravyeshu lostra-vat
atma-vat sarva-bhuteshu/ yah pashyati sa panditah 

“O homem educado vê a esposa de outrem como sua mãe e a propriedade de outrem como lixo intocável, e vê todas as demais pessoas como vê a si mesmo”. Este é um pandita, um homem erudito. No Bhagavad-gita (5.18), Krishna também descreve um pandita:

vidya-vinaya-sampanne/ brahmane gavi hastini
shuni chaiva sva-pake ca/ panditah sama-darshinah

“O sábio humilde, em virtude do conhecimento verdadeiro, vê com visão equânime um brahmana gentil e erudito, uma vaca, um elefante, um cão e um comedor de cães”. Este é um homem erudito, não um portador de diplomas. Um portador de diplomas que não pratica tapasya e tem ­caráter ruim é tratado por Krishna como mayayapahrita-jñana (Bhagavad-gita 16.15), “alguém cujo conhecimento foi roubado pela ilusão”. Embora tenha aprendido muitas coisas, maya roubou seu conheci­mento, de modo que é um sujeito infame, um animal. Este é o ponto de vista da civilização védica.

.

Se gostou deste material, também gostará destes: Srimad-Bhagavatam e Bhakti-vaibhava, Sexo, Amor e Autocontrole.

. 

Se gostou deste material, também gostará do conteúdo destas obras:

08 SI (artigo - Educação) Civilização Significa Regulação (1400) (pn) (bg)5 08 SI (artigo - Educação) Civilização Significa Regulação (1400) (pn) (bg)4 08 SI (artigo - Educação) Civilização Significa Regulação (1400) (pn) (bg)3 08 SI (artigo - Educação) Civilização Significa Regulação (1400) (pn) (bg)2

Uma resposta

  1. Pingback: Artigos e Palestras | Volta ao Supremo | Página oficial

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s