Karma e Bhakti: Seu Destino em Suas Mãos

A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Você decide o que fazer, mas o resultado é inevitável.

“Orgulho, arrogância, presunção, ira, rispidez e ignorância – estas qualidades pertencem àqueles cuja natureza é demoníaca, ó filho de Pritha.” (Bhagavad-gita 16.4)

Podemos entender algo pela análise das características. No laboratório químico, coisas são testadas pelas características. Como determinada substância química: “A cor é essa. A forma é assim. E o sabor é tal. Então, a reação química acontece dessa maneira.” Existem descrições assim para toda e cada substância, e podemos entender a pureza através da característica. A característica de algo também se chama dharma.

Então, existem as características, e, mediante elas, podemos compreender quem é uma pessoa divina e quem é uma pessoa demoníaca. E o próximo verso diz daivi sampad vimokshaya: Se a pessoa tem as características divinas, ela está apta para ir para o mundo espiritual. Nibandhaya asuri mata: Em contraste, estas qualidades demoníacas, dambho darpah abhimanas ca parushyam ajnanam sampad asuri, se desenvolvemos esse tipo de característica, aí está o nosso condicionamento material. Portanto, nós somos a causa do condicionamento material e da liberdade para além do mundo material. Nós mesmos somos a causa. Não existe outra causa. Nós temos simplesmente que desenvolver essas características demoníacas ou as características divinas. A vida humana se destina ao desenvolvimento das características divinas, e não dessas características demoníacas.

O atributo demoníaco já está presente, como dambhah, por exemplo. Um cachorro também tem orgulho: “Eu sou este cachorro! Hrrr… Sou um fox terrier. Sou isso. Sou aquilo.” Dessa maneira, dambhah está presente mesmo no cachorro, mesmo no animal mais baixo, mesmo no gato. Já a característica divina é: “Oh! Sou tão caído!” Trinad api sunichena: “Sou mais baixo do que a grama. Sou mais baixo do que a grama.” Esse é o ensinamento de Caitanya Mahaprabhu. O que é isso de dambhah? Por que eu deveria ser orgulhoso? O que é esse orgulho? Trata-se de ignorância – decorre da ignorância. Quando alguém é orgulhoso sem necessidade, significa que isso se deve à ignorância. E o autor do Chaitanya-charitamrita se descreve assim: “Sou inferior aos vermes no excremento.”

Então, a pessoa tem a tendência a se tornar orgulhosa. Se é orgulhosa por se tornar um gato, um cachorro, um tigre ou um homem dito grandioso neste mundo material, aí está seu condicionamento. Daivi sampad vimokshaya (Bhagavad-gita 16.5): Se você se torna orgulhoso em daivi sampad [característica divina], se você se orgulha de ter-se tornado o servo mais confidencial de Krishna, o mesmo orgulho é para a sua libertação. E se você se orgulha assim: “Sou o ministro” ou “sou tal cachorrão”, isso é para nibandhaya, seu condicionamento, em consequência do que você continuará com a vida material. É claro: devemos ficar orgulhosos depois de termos nos situado na plataforma espiritual. Do contrário, isso também é ignorância.

Assim, as duas coisas estão presentes: daivi sampad e asuri sampad. Asuri sampad quer dizer mais e mais emaranhamento e condicionamento dentro deste mundo material. E daivi sampad significa você se libertar do mundo material. Então, antes de qualquer outra coisa, temos que decidir o que queremos. O que quer que você queira, você terá. Krishna é muito amável. Se você quiser permanecer atado pelas leis da natureza material dentro deste mundo material, você permanecerá. Karanaa guna-sango ’sya (Bhagavad-gita 13.22). Conforme nos contaminamos com diferentes modos da natureza material, obtemos diferentes situações de vida, corpos de diferentes formas, variadas circunstâncias. Krishna organizou tudo com muita exatidão. Seu arranjo é muito perfeito.

Por exemplo, existiu Hiranyakashipu e existiu Prahlada. A Prahlada, estava sendo suprido avanço na vida espiritual, suas necessidades, e, a Hiranyakashipu, estava sendo suprido o status de vida demoníaca. Assim, o prazer de Krishna é que tudo que você quiser, você pode obter. Você obtém todas as vantagens com Krishna. Se você quer se tornar um demônio, Krishna lhe suprirá: “Tudo bem, torne-se um demônio. Receba de Mim o que quer que você deseje.” Ele lhe dará. De modo semelhante, se você quer se tornar um semideus ou um devoto, Krishna lhe fornecerá tudo que é necessário. Agora, é minha escolha se me tornarei um demônio ou se me tornarei um devoto. Essa é minha escolha. Krishna é igual para com todos. Samo ‘ham sarva-bhuteshu (Bhagavad-gita 9.29). De outra maneira, como Ele é Deus? Se Ele é parcial com alguém, Ele não é Deus. Ele tem que ser igual. Ele é igual com o devoto e com o não-devoto. O que quer que o não-devoto queira, Krishna fornece. E o que quer que o devoto queira, Krishna fornece.

Contudo, Ele é muito afeito ao devoto. Por isso, Seus fornecimentos para o devoto são muito imediatos, enquanto o fornecimento do demoníaco depende do seu trabalho, depende do karma. E o fornecimento do devoto, porque se trata de bhakti, está ali de imediato. Essa é a diferença. Krishna diz isto: ye tu bhajanti mam pritya teshu te mayi. (Bhagavad-gita 9.29) Existem milhões de entidades vivas. Algumas delas são devotos, e muitas delas são não-devotos. Krishna é amável com os não-devotos também. O que quer que ele queira, Ele lhe fornece. Contudo, as necessidades do devoto é a primeira consideração para Krishna. Ye tu bhajanti mam pritya teshu te mayi. Assim é Krishna. Da mesma forma que o devoto está apenas buscando pela oportunidade de como servir Krishna, Krishna também está muito ávido por servir o devoto. Isso é a reciprocidade no serviço devocional.

Agora, cabe-nos decidir se queremos ser um devoto ou se queremos continuar um demônio. Essa escolha cabe a nós. Krishna diz: “Abandona essa ocupação demoníaca e te entrega a Mim.” Esse é o desejo de Krishna. Se, no entanto, você não concorda com o desejo de Krishna, se você quer desfrutar de seu próprio desejo, Krishna também fica agradado e lhe suprirá o que for necessário. Isso, porém, não é muito bom. Devemos concordar com os desejos de Krishna. Não devemos permitir que nossos desejos, os desejos demoníacos, cresçam.

Eis a diferença: bhakti e karma. Karma diz respeito a eu realizar os meus desejos, e bhakti diz respeito a realizar os desejos de Krishna. Essa é a diferença. Agora, faça sua escolha: se você quer realizar os seus desejos ou se você quer realizar os desejos de Krishna. Caso você decida realizar os desejos de Krishna, sua vida é bem-sucedida. Esta é a nossa vida consciente de Krishna: “Krishna quer determinada coisa; tenho que atender. Não farei nada para mim.” E se você quer realizar seus próprios desejos, isso é material. Essa é a diferença entre material e espiritual.

Esta casa onde estamos é uma casa. Casa é casa. A casa ao lado é a casa de um karmi, e esta casa onde estamos agora é um templo. Qual é a diferença? A diferença é que, nesta casa onde estamos, tudo é usado para satisfazer o desejo de Krishna, e, na outra casa, todos estão dedicados a realizar seus próprios desejos. É por isso que aqui é um templo, e lá é uma casa. De outro modo, do ponto de vista externo, não há diferença: a mesma pedra, a mesma madeira, a mesma planta, o mesmo terreno, a mesma cozinha – tudo igual. Porém, a atividade aqui é satisfazer Krishna, e, nas outras casas, o afazer é satisfazer os próprios sentidos. Agora, então, temos as duas coisas: as características divinas e as características demoníacas. Como ambas estão presentes, agora você tem que determinar qual delas você quer. Se você de fato quer amar Krishna, adote a característica divina.

Não há motivo para não ter esperanças. Você consegue. É preciso praticar. Se você quer ser divino, suas características têm que mudar. Aqui, estamos dedicados às características demoníacas: dambhah, vimana, darpah e similares. Você pode mudar. Não há desesperança. Você é capaz. Você simplesmente tem que se exercitar. Hoje você não é cantor, mas você pode se tornar um cantor exímio caso você pratique canto.

Enfim, estão aí as características. Agora, se você quer ter caráter divino, pratique tudo isso. E se você quer continuar um demônio, siga com sua prática, com os atributos que você já tem. Então, cabe a você se tornar divino ou demoníaco. Voltar ao lar, voltar ao Supremo, está em suas mãos. Agora, temos que praticar.

Tradução de Bhagavan Dasa. Revisão de Prema-vardhana Devi Dasi.

Leia também: As Naturezas Divina e Demoníaca

Adquira e receba em casa: