Cinco Lições de Yoga com Doutor Estranho

1

Nrisimhananda Dasa

Cinco lições, e uma lição extra, diretamente da Anciã.

(Atenção. Este texto traz revelações sobre o roteiro do filme.)

Acabou de chegar à telona mais um filme do Universo Cinematográfico da Marvel, e, como já era de se esperar, os elementos que renderam à Disney mais um pedaço da indústria do entretenimento estavam todos lá de novo: as piadas (toneladas delas), as referências, o cameo de Stan Lee…

No entanto, assim como os quadrinhos que originaram o filme, “Doutor Estranho” se destaca de outros títulos de heróis devido à sua temática: o egocêntrico e narcisista Doutor Stephen Strange, mais do que aprender a usar seus poderes, combater vilões megalomaníacos e salvar o mundo, tem que embarcar em uma jornada de autoaprimoramento e ressignificar toda a sua visão a respeito da vida. Para isso, ele mergulha em estudos e introspecção em um monastério nepalês, repleto de antigos títulos em sânscrito. E não faltam paralelos entre o novo filme da Marvel e a filosofia do yoga. Vamos, agora, ver cinco lições do yoga que podem ser aprendidas com “Doutor Estranho”.

Lição 1 – Matéria vs. Espírito

Stephen é um médico extremamente materialista. Tendo conseguido se graduar e obter o doutorado simultaneamente devido à sua memória fotográfica, Strange é o típico homem da ciência, e, para ele, a vida é mera combinação aleatória de elementos químicos. “Somos um cisco no universo”, ele proclama. Mas a Anciã mostra para ele casos de cura impossíveis pela medicina, que foram efetuados no monastério através da cura da mente, pois o corpo seria mera sombra do espírito.

Os Vedas também partem dessa premissa, e isso é algo facilmente observável: caso tenhamos um mecanismo defeituoso e que, por isso, parou de funcionar, podemos reparar a falha, e o mecanismo voltará a operar, mas não podemos efetivamente devolver vida a um corpo morto, mesmo que consigamos consertar a lesão que levou o tal corpo a óbito.

A conclusão védica é que a consciência tem uma origem extra-biológica e que ela é uma diminuta partícula de energia espiritual, dotada de eternidade, conhecimento e felicidade. Essa alma sustenta a matéria e dá vida e dinâmica a ela, tal qual uma bateria, e, tão logo a alma abandone o corpo, ele se reduz a matéria inerte.

Lição 2 – Multiverso

Para acabar com o ceticismo de Strange, a Anciã o conduz a uma rápida viagem pelo multiverso, numa das cenas que mais nos remete ao estilo psicodélico do artista conceitual Steve Ditko (um dos criadores do Doutor Estranho).

Fora da ficção, a física também investiga seriamente a possibilidade da existência paralela de muitos universos, e termos como “teoria das cordas” estão cada vez mais em voga.

2

Vishnu envolto por diversos universos exalados de Seus poros.

No entanto, na literatura do yoga, o multiverso já era descrito há milênios. Nela, é dito que Vishnu (o Deus Supremo) repousa sobre as águas e, dos poros do Seu corpo, se emanam múltiplos universos, os quais, após cumprirem o seu ciclo de vida, são destruídos e novamente incorporados ao corpo de Vishnu. A duração desses universos seria a mesma do intervalo da respiração de Vishnu.

Lição 3 – Viagens Astrais

Uma das principais técnicas usadas pelos magos em Karma-Taj é sair do seu corpo físico e vagar em um corpo astral e, assim, explorar os confins do universo.

3

Doutor Estranho em projeção astral.

A viagem astral foi popularizada nos anos 60 pelo best-seller instantâneo A Terceira Visão, do médico tibetano Lobsang Rampa, e, na época, a projeção do corpo astral (chamado, em sânscrito, de manojavah) virou uma espécie de fetiche entre os membros do movimento de contracultura, nas suas tentativas de desvendar os segredos do universo.

07

Entre os poderes desenvolvidos no yoga, figura a projeção astral.

O que os Vedas dizem é que, além do corpo biológico, possuímos também quatro outros corpos: o energético, o mental (formado pelas emoções, desejos e sentimentos), o intelectual (formado pelas ideias e abstrações) e o egoico (formado pelas diferentes identidades temporárias que a alma assume em contato com a matéria). O conjunto desses corpos é chamado de corpo sutil, que seria o tal “corpo astral”.

Lição 4 – Poderes Místicos

Perplexo com a complexidade da magia, Strange encontra muita dificuldade em realizar mesmo os feitiços mais básicos. Quando indaga a Anciã sobre como poderia evoluir, ela o questiona sobre como ele tinha aprendido a executar intricadas cirurgias neuronais. Stephen responde que essa habilidade é o fruto natural de estudo e disciplina, e ela conclui que, com magia, é igual.

8

A Anciã ensina Doutor Estranho a fazer invocações.

No mundo do Doutor Estranho, a magia é algo que todos podem aprender, desde que treinem duro para isso. E, segundo os Vedas, quando alguém progride na arte do yoga e estreita sua conexão com a Consciência Suprema, naturalmente vai ganhando domínio sobre a matéria e desenvolve poderes sobre-humanos.

Essas perfeições místicas ióguicas são chamadas siddhis, e existem quinze que são consideradas as principais: (1) conhecer passado, presente e futuro; (2) tolerância a calor, frio e outras dualidades; (3) ler mentes; (4) anular a influência do fogo, sol, água e veneno; (5) se tornar invencível; (6) não sentir fome, sede e outros apetites corpóreos; (7) ouvir coisas distantes; (8) ver coisas distantes; (9) teletransporte; (10) assumir qualquer forma desejada; (11) possuir o corpo de outros seres; (12) escolher o momento da própria morte; (13) habitar os reinos dos seres divinos; (14) materializar seus desejos e (15) dar comandos mentais.

Lição 5 – O Tempo

O tempo é um dos motes do enredo de “Doutor Estranho”: de um lado, temos a relíquia mística “Olho de Agamotto”, que Strange usa para controlar a passagem do tempo; do outro, temos a dimensão negra, onde o tempo é ausente.

Segundo os Vedas, o tempo é um dos cinco ingredientes indispensáveis para a existência deste mundo (os outros seriam Deus, as almas, a matéria e o karma). Como a alma é eterna, a influência do tempo e a efemeridade da matéria são anômalos a ela.

Lição Bônus – “Não é sobre Você”

Além de que ela é celta e muito antiga, pouco sabemos sobre a sábia tutora do Doutor Estranho, a enigmática Anciã. Ela ensina Strange a abrir portais interdimensionais e a conjurar feitiços arcanos, mas guarda sua mais valiosa lição para ele em suas palavras derradeiras.

9

A Anciã, interpretada por Tilda Swinton.

Após ver seu pupilo avançar a passos rápidos no reino da magia, mas não conseguir se livrar da sua arrogância e orgulho, a Anciã energicamente abre seus olhos: “Você pode controlar o quanto quiser e, ainda assim, não ser o controlador! Ainda não entendeu? Isso não é sobre você!”

Segundo a filosofia do yoga, o mundo da matéria é feito para que as almas possam saciar sua necessidade de controlar. Podemos entender melhor esse ponto através da seguinte analogia: uma criança observa um adulto cozinhando e pede a ele para usar o fogão. Uma vez que o adulto não pode deixar que a criança manipule o fogo pelo perigo que isso implica, ele dá à criancinha um fogão de brinquedo. Nele, a criança pode brincar à vontade de cozinhar, mas, quando ela sentir fome de verdade, terá que se render à culinária do adulto.

Da mesma forma, por ser feita à imagem e semelhança de Deus, a alma diminuta tem a tendência de tentar ser a controladora suprema. Uma vez que ela não pode dar vazão a esse impulso no mundo espiritual, porque isso romperia a harmonia inerente de lá, ela vem ao mundo material, uma espécie de simulação da realidade espiritual.

Uma vez na matéria, ela tenta controlá-la para cumprir seus próprios propósitos e, quando percebe que suas tentativas vãs de ser o controlador não satisfazem suas expectativas, ela se rende ao controle divino. Ela, por fim, terá de reconhecer: “Não é sobre mim”.

Se gostou deste material, também gostará destes: Angry Birds™ Yoga, Como Eliminar os Porcos Verdes em Sua Vida, Os Poderes Místicos do Yoga, Tecnologia Aeroespacial e Poderes Sônico-Psíquicos: Uma Comparação entre a Literatura Védica e os Estudos Atuais.

Se gostou deste material, também gostará do conteúdo destas obras:

livro1 livro-2 livro-3