Caminhada, Massagem e Aiurveda: Os Hábitos Saudáveis de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Caminhada, Massagem e Aiurveda 01

Srutakirti Dasa

Um dia, enquanto eu massageava Srila Prabhupada passando óleo de mostarda em suas costas, ele disse: “Três coisas me mantêm vivo: minha caminhada matinal, minha massagem e minha medicina aiurvédica”. Eu ouvi Srila Prabhupada mencionar isso algumas vezes.

Ele era muito frequente na prática dos três. Independente da parte do mundo em que estivesse, ele fazia sua caminhada matinal, mesmo no dia seguinte a um voo de doze horas. Na manhã seguinte, ele estaria caminhando com seus seguidores enquanto o Sol nascia. Não importava se estava quente, frio ou chovendo. Sua caminhada podia durar de uma a duas horas, e era sempre em um ritmo mais ou menos rápido.

Sua massagem matinal era feita regularmente e por volta do mesmo horário sempre, pouco antes do meio-dia. Ela durava de uma a duas horas, e era um tipo de massagem aiurvédica feita com óleo de sândalo em sua cabeça e óleo de mostarda no resto do seu corpo.

Caminhada, Massagem e Aiurveda 02

Foto: Prabhupada recebe massagem de um discípulo.

Ele dizia: “Óleo de sândalo ajuda a manter a cabeça fresca, e o óleo de mostarda aquece”. Este tipo de massagem é muito bom para a circulação sanguínea. Ele gostava que ela fosse feita com vigor. À noite, antes de ir dormir, ele recebia massagem sem óleos, principalmente nas pernas e braços, por até uma hora.

Ele tomou o mesmo medicamento aiurvédico por todo o tempo que fiquei com ele, de setembro de 1972 a julho de 1975. Era um tônico chamado yogendra-ras. Alguns dos ingredientes eram pó de ouro e pérolas pulverizadas em pequenas quantidades. Era feito em pequenas bolinhas vermelhas. Quando Srila Prabhupada ficava fora da Índia por algum tempo, esse medicamento era enviado para ele, juntamente com sementes de cardamomo-da-terra, que eram misturadas com o yogendra-ras. Ele só autorizava seus discípulos a comprarem em uma única farmácia aiurvédica, dizendo: “É a única em que confio, pois os ingredientes são muito caros. As outras farmácias são todas enganadoras”.

Ele tomava essa mistura todas as manhãs antes de sua caminhada matinal. Eu preparava para ele enquanto estava no banheiro por volta das 5 horas da manhã. Eu colocava as duas pequenas bolinhas em um almofariz de mármore negro e as triturava, e então adicionava as sementes de cardamomo-da-terra e um pouquinho de mel puro. Após misturar tudo, eu deixava o almofariz e o pilão sobre sua mesa. Quando ele se sentava, ele pegava o pilão em sua mão e tomava o máximo possível do tônico ali, lambendo cada restinho. Depois disso, ele pegava o pequeno almofariz e, com sua língua, lambia qualquer restinho que ali tivesse ficado. Srila Prabhupada nunca, jamais, desperdiçava algo, e com seu medicamento não era diferente.

Srila Prabhupada nunca me disse nada claramente sobre seguir um estilo de vida aiurvédico, mas estava bem claro que ele o fazia. Acordar antes do nascer do Sol, tomar banho frio e expor-se ao Sol durante o comecinho da manhã enquanto se caminha são princípios básicos do aiurveda. Ele comia frutas locais no desjejum com leite ou iogurte e almoçava quando o Sol estava no seu ponto mais alto no céu. Seu almoço regularmente consistia de arroz, dal, capatis e algumas preparações de vegetais ao chaunce. À noite, cerca de duas horas antes de dormir, ele tomava seu leite muito quente com mel e, se estivesse com bom apetite, um pouco de prasada. Apenas ocasionalmente ele comia alimentos muito fritos, como puris e samosas, embora ele gostasse muito.

Ele era muito atento ao seu corpo e, tão logo notasse algum sinal de enfermidade, fazia as devidas mudanças na sua alimentação e na massagem. Ele costumava pedir por kichari para o almoço nessas situações. Kichari é uma preparação bem famosa por balancear os três doshas do aiurveda. Em termos simples, o desequilíbrio dos doshas é a causa de todas as doenças do corpo. Srila Prabhupada dizia: “Doenças vêm de três coisas: ansiedade, falta de limpeza e comer em excesso. Comer em excesso significa comer mais do que você pode digerir. Se você pode digerir dez capatis, coma dez capatis; se você pode digerir um capati, então coma um”.

Outro princípio aiurvédico é comer sozinho. Srila Prabhupada sempre fazia isso. Ele tinha uma forma muito gentil de fazer com que todos na sala se retirassem. Quando eu levava sua refeição e a colocava sobre a pequena mesa no chão, ele pegava uma fruta e dava um pedaço para cada um dos discípulos que estivessem na sala naquele momento. Então, ele sinalizava com a cabeça como que agradecendo e dizia: “Agora vocês podem ir”. Ele então se sentava em frente ao seu prato e meditava na prasada enquanto comia. Ele não usava utensílios ou bebia água durante suas refeições. Ele sempre comia apenas com sua mão direita e mastigava muito bem seu alimento.

Uma vez, ele me disse rindo: “A melhor coisa para a saúde é cozinhar para si mesmo, assim não importa quão infernal seja o gosto, você irá gostar porque foi você que fez”. Embora dito de forma brincalhona, este é um importante princípio da digestão. Se você não gosta do que você está comendo, você não irá digeri-lo apropriadamente.

Se gostou deste artigo, talvez também goste deste: Medicina Aiurvédica para Mãe & Filho.

Anúncios

2 Respostas

  1. Isvaragati Dasa.

    Muy agradecido por compartir con todos nosotros éstos Prabhupada-lilas.

    18 de abril de 2015 às 11:22 PM

  2. Sundarangi

    Jay Srila Prabhupada!

    11 de abril de 2016 às 11:09 AM

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s