॥ गीताध्यानम् ॥ Gītādhyānam: Meditação no Bhagavad-gītā

de Sri Sankaracarya
tradução e comentários de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Gītādhyānam 01

Sri Sankaracarya – ou Sankara – é considerado uma encarnação do Senhor Shiva, como testifica o Padma Purana. Nascendo na Índia no século VI d.C., expulsou sozinho a filosofia budista da Índia e reestabeleceu a cultura védica, tudo em sua curta duração de vida de 32 anos. Embora tenha assumido o disfarce impersonalista a fim de melhor combater os budistas – o impersonalismo é muito similar ao budismo –, o comentário abaixo, bem como outros escritos, revelam-no um devoto de Krsna, a Suprema Personalidade de Deus. O tratado de Sankara mais famoso é o Viveka-cudamani, e outras obras de sua autoria incluem o Sariraka-bhasya e Orações a Krsna.

Verso Primeiro

ॐ पार्थाय प्रतिबोधितां भगवता नारायणेन स्वयं
व्यासेन ग्रथितां पुराणमुनिना मध्येमहाभारतम् ।
अद्वैतामृतवर्षिणीं भगवतीमष्टादशाध्यायिनीं
अम्ब त्वामनुसंदधामि भगवद्गीते भवद्वेषिणीम् ॥ १ ॥

oṁ pārthāya pratibodhitāṁ bhagavatā nārāyaṇena svayaṁ
vyāsena grathitāṁ purāṇamuninā madhyemahābhāratam |
advaitāmṛtavarṣiṇīṁ bhagavatīmaṣṭādaśādhyāyinīṁ
amba tvām anusaṁdadhāmi bhagavadgīte bhavadveṣiṇīm || 1 ||

Ó Bhagavad-gita, mediante vossos dezoito capítulos, derramais sobre o homem o néctar imortal da sabedoria do Absoluto. Ó venturoso Gita, por vós o próprio Senhor Krsna iluminou Arjuna. Posteriormente, o anciano sábio Vyasa incluiu-vos no Mahabharata. Ó amável mãe, destruidora do renascimento do homem na escuridão deste mundo mortal, em vós é minha meditação.

Verso Segundo

नमोऽस्तु ते व्यास विशालबुद्धे फुल्लारविंदायतपत्रनेत्र ।
येन त्वया भारततैलपूर्णः प्रज्वालितो ज्ञानमयः प्रदीपः ॥ २ ॥

namo’stu te vyāsa viśālabuddhe phullāraviṁdāyatapatranetra |
yena tvayā bhāratatailapūrṇaḥ prajvālito jñānamayaḥ pradīpaḥ || 2 ||

Saudações eu ofereço a vós, ó Vyasa, vós que sois possuidor de magnífico intelecto, vós cujos olhos são brilhantes como o lótus por inteiro desabrochado. Fostes vós quem tornou mais luminosa essa candeia de sabedoria, enchendo-a com o óleo do Mahabharata.

Comentário de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Srimad Sankaracarya era impersonalista do ponto de vista materialista, mas ele nunca negou a forma espiritual conhecida como sac-cid-ananda-vigraha, ou a eterna e inteiramente bem-aventurada forma de conhecimento que existia antes da criação material. Quando falou do Brahman Supremo como impessoal, não queria que a forma sac-cid-ananda do Senhor fosse confundida com uma concepção material de personalidade. Bem no começo de seu comentário ao Gita, ele defende que Narayana, o Senhor Supremo, é transcendental à criação material. O Senhor existia antes da criação como a personalidade transcendental, e Ele nada tem a ver com a personalidade material. O Senhor Krsna é a mesma Personalidade Suprema, e Ele não tem nenhuma conexão com um corpo material. Ele faz Seu advento em Sua forma espiritual eterna, mas pessoas tolas se equivocam pensando que Seu corpo é como o nosso. A pregação de Sankara do impersonalismo se destina especialmente a ensinar tolos que consideram Krsna um homem comum, composto de matéria.

Ninguém se interessaria em ler o Gita se houvesse sido falado por um homem material, e certamente Vyasadeva não teria se dado ao trabalho de incorporá-lo na história do Mahabharata. De acordo com os versos acima, o Mahabharata é a história do mundo antigo, e Vyasadeva é o escritor desse grande épico. O Bhagavad-gita é idêntico a Krsna, e porque Krsna é a Absoluta Suprema Personalidade de Deus, não há diferença entre Krsna e Suas palavras. Portanto, o Bhagavad-gita é tão adorável quanto o próprio Senhor Krsna, ambos sendo absolutos. Aquele que ouve o Bhagavad-gita “como ele é” de fato ouve as palavras diretamente dos lábios de lótus do Senhor. Contudo, pessoas desafortunadas dizem que o Gita é muito antiquado para o homem moderno que quer encontrar Deus através da especulação ou da meditação.

Verso Terceiro

प्रपन्नपारिजाताय तोत्रवेत्रैकपाणये ।
ज्ञानमुद्राय कृष्णाय गीतामृतदुहे नमः ॥ ३ ॥

prapannapārijātāya totravetraikapāṇaye |
jñānamudrāya kṛṣṇāya gītāmṛtaduhe namaḥ || 3 ||

Saúdo-Vos, ó Krsna, ó Vós que sois o refúgio de Laksmi, nascida do oceano, e de todos que se refugiam a Vossos pés de lótus. Sois, com efeito, uma árvore-dos-desejos para Vossos devotos. Uma de Vossas mãos segura um cajado para a condução de vacas, e Vossa outra mão está erguida, com o polegar tocando a ponta de Vosso dedo indicador, designando conhecimento divino. Saudações a Vós, ó Senhor Supremo, porquanto sois o ordenhador da ambrosia do Gita.

Comentário de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Srimad Sankaracarya diz explicitamente: “Tolos, simplesmente adorem Govinda e o Bhagavad-gita falado pelo próprio Narayana”, mas os tolos continuam com suas pesquisas para encontrarem Narayana; consequentemente, são desprezíveis e perdem seu tempo em troca de nada. Narayana jamais é desprezível ou daridra, senão que é adorado pela deusa da fortuna, Laksmi, bem como por todas as entidades vivas. Sankara declarou ser pessoalmente “Brahman”, mas ele admite que Narayana, ou Krsna, é a Suprema Personalidade de Deus que é transcendental à criação material. Ele oferece seus respeitos a Krsna como o Supremo Brahman ou Param Brahman porque Ele (Krsna) é adorável a todos. Somente os tolos e os inimigos de Krsna, que não podem compreender o que é o Bhagavad-gita (embora teçam comentários ao mesmo), dizem: “Não é ao Krsna pessoal a quem devemos nos render em última instância, mas ao Eterno não nascido e sem princípio que fala através de Krsna”. Os tolos entram de supetão onde os anjos temem afoitar-se. Enquanto Sankara, o maior dos impersonalistas, oferece seus devidos respeito a Krsna e a Seu livro, o Bhagavad-gita, o tolo diz: “Não é para o Krsna pessoal”. Semelhantes indivíduos sem esclarecimento ou iluminação não sabem que Krsna é absoluto e que não há diferença entre Seu interior e Seu exterior. A diferença de interior e exterior é experimentada no mundo material dual. No mundo absoluto, inexiste tal diferença porque, no absoluto, tudo é espiritual (sac-cid-ananda), e Narayana, ou Krsna, pertence ao mundo absoluto. No mundo absoluto, tudo o que existe é a verdadeira personalidade, e não há distinção entre o corpo e a alma.

Verso Quarto

सर्वोपनिषदो गावो दोग्धा गोपालनन्दनः ।
पार्थो वत्सः सुधीर्भोक्ता दुग्धं गीतामृतं महत् ॥ ४ ॥

sarvopaniṣado gāvo dogdhā gopālanandanaḥ |
pārtho vatsaḥ sudhīrbhoktā dugdhaṁ gītāmṛtaṁ mahat || 4 ||

Os Upanisads são como um rebanho de vacas; o Senhor Krsna, filho de um vaqueiro, é o ordenhador; Arjuna é o bezerro; o néctar supremo do Gita é o leite, e o homem sábio e de intelecto purificado é o bebedor.

Comentário de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

A menos que compreenda a variedade espiritual, não é possível compreender os passatempos transcendentais do Senhor. No Brahma-samhita, afirma-se que o nome, a forma, a qualidade, os passatempos, o séquito e a parafernália de Krsna são todos ananda-cinmaya-rasa – em resumo, tudo de Sua associação transcendental é da mesma composição de espirituais bem-aventurança, conhecimento e eternidade. Não há fim para Seu nome, Sua forma etc., diferentemente do mundo material, onde tudo tem seu fim. Como declarado no Bhagavad-gita, somente os tolos zombam dEle. Sankara, em contrapartida, o maior dos impersonalistas, adora Krsna, Suas vacas e Seus passatempos como o filho de Vasudeva e o prazer de Devaki.

Verso Quinto

वसुदेवसुतं देवं कंसचाणूरमर्दनम् ।
देवकीपरमानन्दं कृष्णं वन्दे जगद्गुरुम् ॥ ५ ॥

vasudevasutaṁ devaṁ kaṁsacāṇūramardanam |
devakīparamānandaṁ kṛṣṇaṁ vande jagadgurum || 5 ||

O filho de Vasudeva, o destruidor dos demônios Kamsa e Canura, a suprema bem-aventurança de mãe Devaki, o guru do universo, o instrutor dos mundos, Krsna, eu saúdo.

Comentário de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Sankara descreve-o como o filho de Vasudeva e Devaki. Isso significa, portanto, que esteja adorando um homem material e qualquer? Ele adora Krsna porque sabe que o nascimento e as atividades de Krsna são todos sobrenaturais. Como se declara no quarto capítulo do Bhagavad-gita, o nascimento e as atividades de Krsna são misteriosos e transcendentais e, por conseguinte, somente os devotos de Krsna podem conhecê-los perfeitamente. Sankara não era tolo para aceitar Krsna como um homem comum e, ao mesmo tempo, oferecer-Lhe todas as reverências devocionais, conhecendo-O como o filho de Devaki e Vasudeva. Segundo o Bhagavad-gita, somente por conhecer o nascimento e as atividades transcendentais de Krsna o indivíduo pode obter a liberação de obter uma forma espiritual como a de Krsna. Há cinco diferentes tipos de liberação. Aquele que se funde na aura espiritual de Krsna, conhecida como a refulgência impessoal Brahman, não desenvolve completamente seu corpo espiritual. Contudo, aquele que desenvolve completamente sua existência espiritual se torna um associado de Narayana ou Krsna em diferentes moradas espirituais. Aquele que entra na morada de Narayana desenvolve uma forma espiritual exatamente como aquela de Narayana (com quatro braços), e aquele que entra na mais elevada morada espiritual de Krsna, conhecida como Goloka Vrndavana, desenvolve uma forma espiritual de duas mãos, como a de Krsna. Sankara, como uma encarnação do Senhor Shiva, conhece todas essas existências espirituais, mas não as revelou para seus seguidores então budistas porque lhes era impossível aprender sobre o mundo espiritual. O Senhor Buddha pregou que o vazio é a meta última; como, então, seus seguidores poderiam compreender a variedade espiritual? Portanto, Sankara disse brahma satya jagat mithya, ou “a variedade material é falsa, mas a variedade espiritual é fato”. No Padma Purana, o Senhor Shiva admite que teve de pregar em Kali-yuga a filosofia de maya, ou ilusão, como outra edição da filosofia do “vazio” de Buddha. Ele teve de fazer isso pela ordem do Senhor por razões específicas. Ele, entretanto, revelou sua verdadeira mentalidade recomendando que as pessoas adorem Krsna, pois ninguém pode ser salvo simplesmente através de especulações mentais compostas de malabarismo verbal e artifícios gramaticais. Sankara instrui ainda: bhaja govindam, bhaja govindam, bhaja govindam mudhamate, prapte sannihite marane nahi nahi, raksati dukrn karane: “Seus tolos intelectuais, simplesmente adorem Govinda, simplesmente adorem Govinda, simplesmente adorem Govinda. Seu conhecimento gramatical e seu malabarismo de palavras não salvarão vocês na hora da morte”.

Verso Sexto

भीष्मद्रोणतटा जयद्रथजला गान्धारनीलोत्पला
शल्यग्राहवती कृपेण वहनी कर्णेन वेलाकुला ।
अश्वत्थामविकर्णघोरमकरा दुर्योधनावर्तिनी ।
सोत्तीर्णा खलु पाण्डवै रणनदी कैवर्तकः केशवः ॥ ६ ॥

bhīṣmadroṇataṭā jayadrathajalā gāndhāranīlotpalā
śalyagrāhavatī kṛpeṇa vahanī karṇena velākulā |
aśvatthāmavikarṇaghoramakarā duryodhanāvartinī
sottīrṇā khalu pāṇḍavai raṇanadī kaivartakaḥ keśavaḥ || 6 ||

Daquele terrível rio do campo de batalha de Kuruksetra, o qual os Pandavas cruzaram vitoriosamente, Bhisma e Drona eram como as elevadas ribanceiras, Jayadratha como a água do rio, o rei de Gandhara como a ninféia azul, Salya como o tubarão, Krpa como a correnteza, Karna como as imponentes ondas, Asvatthama e Vikarna como os medonhos crocodilos, e Duryodhana o redemoinho d’água – mas Vós, ó Krsna, éreis o barqueiro!

Verso Sétimo

पाराशर्यवचःसरोजममलं गीतार्थगन्धोत्कटं
नानाख्यानककेसरं हरिकथासद्वासनावासितम् ।
लोके सज्जनषट्पदैरहरहः पेपीयमानं मुदा
भूयाद्भारतपंकजं कलिमलप्रध्वंसि नः श्रेयसे ॥ ७ ॥

pārāśaryavacaḥsarojamamalaṁ gītārthagandhotkaṭaṁ
nānākhyānakakesaraṁ harikathāsadvāsanāvāsitam |
loke sajjanaṣaṭpadairaharahaḥ pepīyamānaṁ mudā
bhūyādbhāratapaṁkajaṁ kalimalapradhvaṁsi naḥ śreyase || 7 ||

Que o imaculado lótus do Mahabharata, que cresce nas águas das palavras de Vyasa, cuja irresistivelmente doce fragrância é o Bhagavad-gita, com suas histórias de heróis e suas pétalas completamente desabrochadas pelas conversas sobre o Senhor Hari, que destrói os pecados de Kali-yuga, lótus este que diariamente lança luz sobre as almas a buscarem o néctar, como muitíssimas abelhas enxameando jubilosamente – que esse lótus do Mahabharata confira-nos o bem mais elevado.

Verso Oitavo

मूकं करोति वाचालं पंगुं लंघयते गिरिम् ।
यत्कृपा तमहं वन्दे परमानन्दमाधवम् ॥ ८ ॥

mūkaṁ karoti vācālaṁ paṁguṁ laṁghayate girim |
yatkṛpā tamahaṁ vande paramānandamādhavam || 8 ||

Saudações ao Senhor Krsna, a corporificação da suprema bem-aventurança, Ele por cuja graça e compaixão o mudo se torna eloquente e o aleijado escala montanhas – a Ele minha saudação.

Comentário de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Seguidores tolos de especuladores tolos não podem compreender o significado de oferecer saudações ao Senhor Krsna, a corporificação da bem-aventurança. Sankara pessoalmente ofereceu suas saudações ao Senhor Krsna a fim de que alguns de seus inteligentes seguidores pudessem compreender o verdadeiro fato pelo exemplo estabelecido por seu grande mestre Sankara, a encarnação do Senhor Shiva. Mas há muitos obstinados seguidores de Sankara que se recusam a oferecer suas saudações ao Senhor Krsna e, em vez disso, desencaminham pessoas inocentes injetando materialismo no Bhagavad-gita e confundindo leitores inocentes através de seus comentários, e, consequentemente, os leitores jamais têm a oportunidade de se tornarem bem-aventurados oferecendo saudações ao Senhor Krsna, a causa de todas as causas. O maior desserviço para a humidade é mantê-la na escuridão acerca da ciência de Krsna ou consciência de Krsna mediante a distorção do sentido do Gita.

Verso Nono

यं ब्रह्मा वरुणेन्द्ररुद्रमरुतः स्तुन्वन्ति दिव्यैः स्तवैः
वेदैः सांगपदक्रमोपनिषदैर्गायन्ति यं सामगाः ।
ध्यानावस्थिततद्गतेन मनसा पश्यन्ति यं योगिनो
यस्यान्तं न विदुः सुरासुरगणा देवाय तस्मै नमः ॥ ९ ॥

yaṁ brahmā varuṇendrarudramarutaḥ stunvanti divyaiḥ stavaiḥ
vedaiḥ sāṁgapadakramopaniṣadairgāyanti yaṁ sāmagāḥ |
dhyānāvasthitatadgatena manasā paśyanti yaṁ yogino
yasyāntaṁ na viduḥ surāsuragaṇā devāya tasmai namaḥ || 9 ||

Saúdo o refulgente supremo, quem o criador Brahma, Varuna, Indra, Rudra, Marut e todos os seres divinos louvam com hinos, Ele cujas glórias são cantadas pelos versos dos Vedas, sobre quem cantam os cantores do Sama, Ele cujas glórias os Upanisads proclamam em coro, Ele que é visto pelos yogis com suas mentes absortas em perfeita meditação, Ele cujos limites todas as hostes de deuses e demônios desconhecem – que a Ele, o Supremo Deus Krsna, sejam todas as saudações. Saudemo-lO! Saudemo-lO! Saudemo-lO!

Comentário de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

Pela recitação do nono verso de sua meditação, uma citação do Srimad-Bhagavatam (12.13.1), Sankara indica que o Senhor Krsna é adorável a todos, incluindo a ele próprio. Ele deixa a dica aos materialistas, impersonalistas, especuladores mentais, filósofos do “vazio” e todos os demais candidatos sujeitos à punição das misérias materiais – simplesmente ofereçam saudações ao Senhor Krsna, que é adorado por Brahma, Shiva, Varuna, Indra e todos os outros semideuses. Ele não menciona, entretanto, o nome de Visnu porque Visnu é idêntico a Krsna. Os Vedas e os Upanisads destinam-se à compreensão do processo de como o indivíduo pode se render a Krsna. Os yogis tentam ver Krsna dentro de si através de meditação. Em outras palavras, é para todos os semideuses e demônios que não sabem a meta última que Sankara ensina, e ele instrui especialmente os demônios e tolos: ofereçam saudações a Krsna e às Suas palavras, o Bhagavad-gita, seguindo seus próprio passos. Somente por tais atos os demônios se beneficiarão, não desorientando seus seguidores inocentes por meio de pretensa especulação mental ou meditações de fachada. Sankara oferece diretamente saudações a Krsna como para mostrar aos tolos, que estão buscando pela luz, que aqui há luz como no Sol. Porém, os demônios caídos são como corujas que não abrirão seus olhos devido ao medo que têm da luz solar em si. Essas corujas jamais abrirão seus olhos para ver a sublime luz de Krsna e Suas palavras, o Bhagavad-gita. Apesar disso, comentarão o Gita com seus cerrados olhos de coruja a fim de desencaminharem seus desafortunados leitores e seguidores. Sankara, no entanto, revela a luz a seus seguidores menos inteligentes e mostra que o Bhagavad-gita e Krsna são a única fonte de luz. Tudo isso é para ensinar aos sinceros buscadores da verdade a oferecerem saudações ao Senhor Krsna e assim se renderem a Ele sem receios. Essa é a perfeição mais elevada da vida, e é o ensinamento mais elevado de Sankara, o grande e sapiente erudito cujos ensinamentos tiraram a filosofia do vazio de Buddha da Índia, a terra do conhecimento.

Om Tat Sat.

Adquira o Bhagavad-gita Como Ele É, de A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada:

20. Gītādhyānam2  20. Gītādhyānam3

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s