Os Mil Nomes do Senhor Balarama

19 I (obras completas - expansões de krishna) Os Mil Nomes de Balarama (comemorado 20) (2) 

Sri Pradvipaka
(Da Garga-samhita 8.13)

Verso 1

duryodhana uvaca
balabhadrasya devasya
pradvipaka maha-mune
namnam sahasram me bruhi
guhyam deva-ganair api

Duryodhana disse: Ó grande sábio Pradvipaka, dize-me, por favor, os mil nomes do Senhor Balarama, nomes estes mantidos em segredo até mesmo dos semideuses.

Verso 2

sri-pradvipaka uvaca
sadhu sadhu maha-raja
sadhu te vimalam yasah
yat prcchase param idam
gargoktam deva-durlabham

Sri Pradvipaka disse: Muito bom! Muito bom! Muito bom! Ó rei, a fama de Vossa Majestade é imaculada. A solicitação de Vossa Majestade foi atendida por Garga Muni em palavras raramente ouvidas até mesmo por parte dos semideuses.

Verso 3

namnam saharsam divyanam
vaksyami tava cagratah
gargacaryena gopibhyo
dattam Krishna-tate subhe

Falarei a Vossa Majestade os mil nomes transcendentais do Senhor Balarama, nomes que Garga Muni compartilhou com as gopis às belas margens do Yamuna.

Verso 4

om asya sri-balabhadra-sahasra-nama-stotra-mantrasya gargacarya rsih anustup
chandah sankarsanah paramatma devata balabhadra iti bijam revatiti saktih
ananta iti kilakam balabhadra-prity-arthe jape viniyogah.

Om. Do mantra-oração dos mil nomes do Senhor Balarama, o sábio é Garga Muni; a métrica é anustup; a Deidade é o Senhor Balarama, a Suprema Personalidade de Deus; o bija é Balabhadra, a shakti é Revati; o kilaka é Ananta, e o propósito de entoar esses nomes é o prazer do Senhor Balarama.

Verso 4 (b)

atha dhyanam
sphurad-amala-kiritam kinkini-kankanarham
calad-alaka-kapolam kundala-sri-mukhabjam
tuhina-giri-manojnam nila-meghambaradhyam
hala-musala-visalam kama-palam samide

Meditação: Glorifico o Senhor Balarama decorado com um coroa brilhante, braceletes, ornamentos tilintantes, mechas de cabelo bailantes sobre as maçãs de Seu rosto, esplêndidos brincos em Sua belíssima face de lótus e trajes escuros como nuvens de monção, segurando uma grande maça e um arado, satisfazendo todos os desejos e belo como uma montanha de gelo ou neve.

Verso 5

om balabhadro ramabhadro
ramah sankarsano ‘cyutah
revati-ramano devah
kama-palo halayudhah

Om. O Senhor Balarama é supremamente poderoso e feliz (balabhadra), o desfrutador supremo (ramabhadra e rama), todo-atrativo (sankarsana), o infalível (acyuta), o amor de Revati (revati-ramana), a esplêndida Suprema Personalidade de Deus (deva), o Senhor que satisfaz todos os desejos (kama-pala) e aquele que carrega uma arma arado (halayudha).

Verso 6

nilambarah sveta-varno
baladevo ‘cyutagrajah
pralambaghno maha-viro
rauhineyah pratapavan

Ele traja vestes azuis (nilambara), possui pele clara (sveta-varna), é esplêndido e poderoso (baladeva), o irmão mais velho da infalível Suprema Personalidade de Deus (acyutagraja), o matador de Pralamba (pralambaghna), um grande herói (maha-vira), o filho de Rohini (rauhineya) e muito poderoso (pratapavan).

Lord Balarama Slays The Demon Pralamba

O matador de Pralamba (pralambaghna).

Verso 7

talanko musali hali
harir yadu-varo bali
sira-panih padma-panir
lagudi venu-vadanah

Ele carrega a insígnia de uma palmeira (talanka), segura uma maça (musali), segura um arado (hali), leva embora tudo o que é inauspicioso (hari), é o melhor dos Yadus (yadu-vara), é poderoso (bali), segura um arado em Sua mão (sira-pani), possui mãos de lótus (padma-pani), segura uma maça (lagudi) e toca flauta (venu-vadana).

Verso 8

kalindi-bhedano viro
balah prabalah urdhvagah
vasudeva-kalanantah
sahasra-vadanah svarat

Ele dividiu o Yamuna (kalindi-bhedana). Ele é heroico (vira), vigoroso (bala e prabala), elevado (urdhvaga), uma expansão plenária do Senhor Krishna (vasudeva-skala), ilimitado (ananta), tem mil cabeças (sahasra-vadana) e é independente (svarat).

Verso 9

vasur vasumati-bharta
vasudevo vasuttamah
yaduttamo yadavendro
madhavo vrsni-vallabhah

Ele é opulento (vasu), o esposo da deusa da fortuna (vasumati-bharta), o filho de Vasudeva (vasudeva), o melhor dos Vasus (vasuttama), o melhor dos Yadavas (yaduttama), o rei dos Yadavas (yadavendra), o esposo da deusa da fortuna (madhava) e querido aos Vrsnis (vrsni-vallabha).

Verso 10

dvarakeso mathureso
dani mani maha-manah
purnah puranah purusah
paresah paramesvarah

Ele é o rei de Dvaraka (dvarakesa), o rei de Mathura (mathuresa), generoso (dani), nobre (mani), de bom coração (maha-mana), perfeito (purna), a antiquíssima Suprema Personalidade de Deus (purana), a Pessoa Suprema (purusa), o mestre supremo (paresa) e o Controlador Supremo (paramesvara).

Krishna Enters Mathura

O rei de Mathura (mathuresa).

Verso 11

paripurnatamah saksat
paramah purusottamah
anantah sasvatah seso
bhagavan prakrteh parah

Ele é a perfeita Suprema Personalidade de Deus (paripurnatama), diretamente a Suprema Personalidade de Deus (saksat-parama), a Pessoa Suprema (purusottama), o ilimitado (ananta), o eterno (sasvata), o Senhor Sesa (sesa), aquele que possui todas as opulências (bhagavan) e aquele além do mundo material (prakrteh para).

Verso 12

jivatma paramatma ca
hy antaratma dhruvo ‘vyayah
catur-vyuhas catur-vedas
catur-murtis catus-padah

Ele é o pai de todas as entidades vivas (jivatma), a Superalma presente no coração de todos (paramatma e antaratma), eterno (dhruva), imperecível (avyaya), a origem das expansões catur-vyuha (catur-vyuha), o autor dos quatro Vedas (catur-veda), a origem do catur-vyuha (catur-murti) e o mestre dos quatro mundos (catus-pada).

Verso 13

pradhanam prakrtih saksi
sanghatah sanghavan sakhi
maha-mana buddhi-sakhas
ceto ‘hankara avrtah

Ele é o pradhana (pradhana), a prakrti (prakrti), a testemunha (saksi), é acompanhado por Seus associados (sanghata, sanghavan e sakhi), tem bom coração (maha-mana) e é o melhor conselheiro (buddhi-sakha). Ele é a consciência (ceta) e o ego (ahankara). É acompanhado por Seus associados (avrta).

Verso 14

indriyeso devatatma
jnanam karma ca sarma ca
advitiyo dvitiyas ca
nirakaro niranjanah

Ele é o mestre dos sentidos (indriyesa), a Suprema Personalidade de Deus (devata), a Superalma (atma), o conhecimento (jnana), a ação (karma), a auspiciosidade (sarma), o único e inigualável (advitiya), diferente das entidades vivas individuais (dvitiya), uma pessoa cuja forma não é material (nirakara) e intocado pela matéria (niranjana).

Verso 15

virat samrat mahaughas ca
dharah sthasnus carisnuman
phanindrah phani-rajas ca
sahasra-phana-manditah

Ele é todo o universo (virat), o monarca supremo (samrat), uma grande inundação (mahaugha), o mantenedor de todos (dhara), imóvel (sthasnu), aquele que vai a todo lugar (carisnuman), o rei das serpentes (phanindra e phani-raja) e a serpente de mil capelos (sahasra-phana-mandita).

Verso 16

phanisvarah phani sphurtih
phutkari citkarah prabhuh
mani-haro mani-dharo
vitali sutali tali

Ele é o rei das serpentes (phanisvara e phani), a Suprema Personalidade de Deus que aparece no mundo material (sphurti), uma serpente sibilante (phutkari e citkara), o mestre supremo (prabhu), aquele que Se decora com um colar de pedras preciosas (mani-hara e mani-dhara). Ele reside em Vitalaloka (vitali), Sutalaloka (sutali) e Talaloka (tali).

Verso 17

atali sutalesas ca
patalas ca talatalah
rasatalo bhogitalah
sphurad-danto mahatalah

Ele reside em Atalaloka (atali) e é o rei de Sutalaloka (sutalesa). Ele reside em Patalaloka (patala), Talatalaloka (talatala) e Rasatalaloka (rasatala). Ele possui grandes capelos (bhogitala) e presas resplandecentes (sphurad-danta). Ele reside em Mahatalaloka (mahatala).

Verso 18

vasukih sankhacudabho
devadatto dhananjayah
kambalasvo vegataro
dhrtarasto maha-bhujah

Ele é Vasuki (vasuki). Ele é esplêndido como um búzio ataviado de joias (sankhacudabha), é o benfeitor dos semideuses (devadatta) e o conquistador de riquezas (dhananjaya). Ele é Kambalasva (kambalasva). Ele é o mais veloz (vegatara), o rei (dhrtarasta) e o herói de armas poderosas (maha-bhuja).

Verso 19

varuni-mada-mattango
mada-ghurnita-locanahÇ
padmaksah padma-mali ca
vanamali madhusravah

Ele fica embriagado por beber varuni (varuni-mada-mattanga), Seus olhos giram em embriaguez (mada-ghurnita-locana), Seus olhos são flores de lótus (padmaksa), Ele usa uma guirlanda de lótus (padma-mali) e uma guirlanda silvestre (vanamali), e Sua fama é doce (madhusrava).

Verso 20

koti-kandarpa-lavanyo
naga-kanya-samarcitah
nupuri katisutri ca
kataki kanakangadi

Ele é mais belo do que milhões de Cupidos (koti-kandarpa-lavanya), e Ele é adorado pelos naga-kanyas (naga-kanya-samarcita). Ele usa tornozeleiras tilintantes (nupuri), um cinto (katisutri), braceletes dourados (kataki) e armilas douradas (kanakangadi).

Verso 21

mukuti kundali dandi
sikhandi khanda-mandali
kalih kali-priyah kalo
nivata-kavacesvarah

Ele usa uma coroa (mukuti), brincos (kundali) e carrega um cajado (dandi). Ele usa uma pena de pavão (sikhandi) e um khanda-mandala (khanda-mandali). Ele gosta de lutar (kali e kali-priya), Ele é o tempo (kala) e usa uma armadura (nivata-kavacesvara).

Verso 22

samhara-krd rudra-vapuh
kalagnih pralayo layah
mahahih paninih sastra-
bhasya-karah patanjalih

Ele destrói o universo (samhara-krt). Ele é as formas dos Rudras (rudra-vapu), o fogo do tempo (kalagni), a destruição do universo (pralaya e laya), uma grande serpente (mahahi), Panini (panini), o autor dos comentários (sastra-bhasya-kara) e Patanjali (patanjali).

Verso 23

katyayanah pakvimabhah
sphotayana urangamah
vaikuntho yajniko yajno
vamano harino harih

Ele é Katyayana (katyayana), e é glorioso (pakvimabhah e sphotayana). Ele é a serpente Ananta (urangama). Ele é o mestre do mundo espiritual (vaikuntha), o realizador de yajnas (yajnika), o yajna em si (yajna), Vamana (vamana), aquele que pele clara (harina) e o Senhor Hari (hari).

Verso 24

krsno visnur maha-visnuh
prabhavisnur visesa-vit
hamso yogesvaro kurmo
varaho narado munih

Ele é Krishna (krishna), Visnu (visnu), Maha-visnu (maha-visnu), todo-poderoso (prabhavisnu), onisciente (visesa-vit), similar a um cisne (hamsa), o mestre do yoga (yogesvara), Kurma (kurma), Varaha (varaha), Narada (narada) e um grande sábio (muni).

Verso 25

sanakah kapilo matsyah
kamatho deva-mangalah
Sdattatreyah prthur vrddha
rsabho bhargavottamah

Ele é Sanaka (sanaka), Kapila (kapila), Matsya (matsya e kamatha), a auspiciosidade dos semideuses (deva-mangala), Dattatreya (dattatreya), Prthu (prthu), Vrddha (vrddha), Rsabha (rsabha) e o melhor da dinastia Bhrgu (bhargavottama).

Verso 26

dhanvantarir nrsimhas ca
kalkir narayano narah
ramacandro raghavendrah
kosalendro raghudvahah

Ele é Dhanvantari (dhanvantari), Nrsimha (nrsimha), Kalki (kalki), Narayana (narayana), Nara (nara) e Ramacandra (ramacandra, raghavendra, kosalendra e raghudvaha).

Verso 27

kakutsthah karuna-sindhu
rajendrah sarva-laksanah
suro dasarathis trata
kausalyananda-vardhanah

Ele é o mais elevado (kakutstha) e o oceano de misericórdia (karuna-sindhu), o rei dos reis (rajendra), absolutamente glorioso (sarva-laksana), heroico (sura), o filho de Dasaratha (dasarathi), o grande protetor (trata) e a bem-aventurança de Kausalya (kausalyananda-vardhana).

Verso 28

saumitrir bharato dhanvi
satrughnah satru-tapanah
nisangi kavaci khadgi
sari jyahata-kosthakah

Ele é o filho de Sumitra (saumitri), Bharata (bharata), um grande arqueiro (dhanvi), Satrughna (satrughna e satru-tapana), um grande arqueiro (nisangi), um guerreiro de armadura (kavaci), um guerreiro carregando uma espada (khadgi) e um grande arqueiro (sari e jyahata-kosthaka).

Verso 29

baddha-godhanguli-tranah
sambhu-kodanda-bhanjanah
yajna-trata yajna-bharta
marica-vadha-karakah

Ele usa armadura de ombro e de dedos próprias de um arqueiro (baddha-godhanguli-trana). Ele quebrou o arco do Senhor Siva (sambhu-kodanda-bhanjana). Ele protegeu o yajna (yajna-strata e yajna-bharta). Ele matou Marica (marica-vadha-karaka).

Verso 30

asuraris tatakarir
vibhisana-sahaya-krt
pitr-vakya-karo harsi
viradharir vanecarah

Ele é o inimigo dos demônios (asurari), o inimigo de Tataka (tatakari), o aliado de Vibhisana (vibhisana-sahaya-krt), um filho que seguiu a ordem de Seu pai (pitr-vakya-kara), uma pessoa divertida (harsi) e feliz (viradhari), e o Senhor que vagueou pela floresta (vanecara).

 Krishna And The Cowherd Boys Play In The Forest

Uma pessoa divertida (harsi) e feliz (viradhari).

Verso 31

munir muni-priyas citra-
kutaranya-nivasa-krt
kabandhaha dandakeso
ramo rajiva-locanah

Ele é um sábio (muni), querido aos sábios (muni-priya), um residente da floresta Citrakuta (citrakutaranya-nivasa-krt), o matador de Kabandha (kabandhaha), o mestre da floresta Dandaka (dandakesa), o Senhor Rama (rama) e aquele que tem olhos de lótus (rajiva-locana).

Verso 32

matanga-vana-sancari
neta pancavati-patih
sugrivah sugriva-sakho
hanumat-prita-manasah

Ele vagueou na floresta Matanga (matanga-vana-sancari). Ele é o líder supremo (neta). Ele é o mestre da floresta Pancavati (pancavati-pati). Tem um pescoço gracioso (sugriva) e é o amigo de Sugriva (sugriva-sakha). Em Seu coração, Ele ama Hanuman (hanumat-prita-manasa).

Verso 33

setubandho ravanarir
lanka-dahana-tat-parah
ravanyarih puspakastho
janaki-virahaturah

Ele construiu a ponte para Setubandha (setubandha), é o inimigo de Ravana (ravanari), queimou Lanka até reduzi-la a pó (lanka-dahana-tat-para), é o inimigo de Ravana (ravanyari), viajou em uma quadriga de flores (puspakastha) e ficou aflito pela saudade de Sita (janaki-virahatura).

Verso 34

ayodhyadhipatih srimal
lavanarih surarcitah
surya-vamsi candra-vamsi
vamsi-vadya-visaradah

Ele foi o rei de Ayodhya (ayodhyadhipati), é belo e glorioso (srimal), o inimigo de Lavanasura (lavanari), é adorado pelos devas (surarcita), nasceu na dinastia de Surya (surya-vamsi), nasceu na dinastia de Candra (candra-vamsi) e é perito em flautear (vamsi-vadya-visarada).

Verso 35

gopatir gopa-vrndeso
gopo gopisatavrtah
gokuleso gopa-putro
gopalo go-ganasrayah

Ele é o mestre das vacas surabhis (gopati), o mestre dos gopas (gopa-vrndesa), um gopa (gopa), é rodeado por centenas de gopis (gopisatavrta), o mestre de Gokula (gokulesa), o filho de um gopa (gopa-putra), o protetor das vacas (gopala) e o refúgio das vacas (go-ganasraya).

19 I (obras completas - expansões de krishna) Os Mil Nomes de Balarama (comemorado 20) (6)

O protetor das vacas (gopala).

Verso 36

putanarir bakaris ca
trnavarta-nipatakah
agharir dhenukaris ca
pralambarir vrajesvarah

Ele é o inimigo de Putana (putanari), o inimigo de Baka (bakari), o matador de Trinavarta (trnavarta-nipataka), o inimigo de Aghasura (aghari), o inimigo de Dhenuka (dhenukari), o inimigo de Pralamba (pralambari) e o rei de Vraja (vrajesvara).

Krishna and Balarama in Talavan Forest

O inimigo de Dhenuka (dhenukari)

Verso 37

arista-ha kesi-satrur
vyomasura-vinasa-krt
agni-pano dugdha-pano
vrndavana-latasritah

Ele é o matador de Arista (arista-ha), o inimigo de Kesi (kesi-satru), o matador de Vyomasura (vyomasura-vinasa-krt), aquele que engoliu um incêndio florestal (agni-pana), uma criança que bebe leite (dugdha-pana) e um garoto que fica entre as trepadeiras floridas da floresta de Vrndavana (vrndavana-latasrita).

Verso 38

yasomati-suto bhavyo
rohini-lalitah sisuh
rasa-mandala-madhya-stho
rasa-mandala-mandanah

Ele é o filho de Yasoda (yasomati-suta), glorioso, encantador, belo e auspicioso (bhavya), uma criança que brinca com Rohini (rohini-lalita), uma criança (sisu), o dançarino ao centro do círculo da dança da rasa (rasa-mandala-madhya-stha), e o ornamento da dança da rasa (rasa-mandala-mandana).

Balarama Enjoys Rasa Dance with the Gopis

O dançarino ao centro do círculo da dança da rasa (rasa-mandala-madhya-stha).

Verso 39

gopika-sata-yutharthi
sankhacuda-vadhodyatah
govardhana-samuddharta
sakra-jid vraja-raksakah

Ele anseia desfrutar de passatempos com centenas de gopis (gopika-sata-yutharthi). Ele é o matador de Sankhacuda (sankhacuda-vadhodyata), aquele que ergueu a colina de Govardhana (govardhana-samuddharta), o guerreiro que derrotou Indra (sakra-jid) e o protetor de Vraja (vraja-raksaka).

Verso 40

vrsabhanu-varo nanda
anando nanda-vardhanah
nanda-raja-sutah srisah
kamsarih kaliyantakah

Ele é o noivo que o rei Vrsabhanu escolheu para a sua filha (vrsabhanu-vara). Ele é a bem-aventurança personificada (nanda e ananda), deleitoso (nanda-vardhana), o filho do rei Nanda (nanda-raja-suta), o mestre da deusa da fortuna (srisa), o inimigo de Kamsa (kamsari) e o subjugador de Kaliya (kaliyantaka).

Verso 41

rajakarir mustikarih
kamsa-kodanda-bhanjanah
canurarih kuta-hanta
salaris tosalantakah

Ele é o inimigo de um lavadeiro (rajakari), o inimigo de Mustika (mustikari), aquele que quebrou o arco de Kamsa (kamsa-kodanda-bhanjana), o inimigo de Canura (canurari), o matador de Kuta (kuta-hanta), o inimigo de Sala (salari) e o matador de Tosala (tosalantaka).

Verso 42

kamsa-bhratr-nihanta ca
malla-yuddha-pravartakah
gaja-hanta kamsa-hanta
kala-hanta kalanka-ha

Ele é o matador dos irmãos de Kamsa (kamsa-bhratr-nihanta), um lutador perito (malla-yuddha-pravartaka), o matador de um elefante (gaja-hanta), o matador de Kamsa (kamsa-hanta), o matador de Kala (kala-hanta) e o matador de Kalanka (kalanka-ha).

Verso 43

magadharir yavana-ha
pandu-putra-sahaya-krt
catur-bhujah syamalangah
saumyas caupagavi-priyah

Ele é o inimigo de Jarasandha (magadhari), o matador de Kalayavana (yavana-ha), o aliado dos Pandavas (pandu-putra-sahaya-krt), o Senhor Narayana de quatro braços (catur-bhuja), o Senhor Krishna de pele escura (syamalanga), gentil (saumya) e o querido de Aupagavi (aupagavi-priya).

Verso 44

yuddha-bhrd uddhava-sakha
mantri mantra-visaradah
vira-ha vira-mathanah
sankha-cakra-gada-dharah

Ele é um guerreiro (yuddha-bhrd), o amigo de Uddhava (uddhava-sakha), um conselheiro (mantri), perito em aconselhar (mantra-visarada), o matador de grandes guerreiros (vira-ha e vira-mathana) e aquele que porta um búzio, um disco e uma maça (sankha-cakra-gada-dhara).

Verso 45

revati-citta-harta ca
raivati-harsa-vardhanah
revati-prana-nathas ca
revati-priya-karakah

Ele encantou o coração de Revati (revati-citta-harta), deleitou Revati (raivati-harsa-vardhana), é o Senhor da vida de Revati (revati-prana-natha) e é a felicidade de Revati (revati-priya-karaka).

Verso 46

jyotir jyotismati-bharta
revatadri-vihara-krt
dhrta-natho dhanadhyakso
danadhyakso dhanesvarah

Ele é o esplendor (jyoti), o mestre de Jyotismati (jyotismati-bharta), o desfrutador de passatempos no monte Revata (revatadri-vihara-krt), o mestre da paciência e da tolerância (dhrta-natha), o juiz final (dhanadhyaksa) e o mestre da riqueza (dhanesvara).

Verso 47

maithilarcita-padabjo
manado bhakta-vatsalah
duryodhana-gurur gurvi
gada-siksa-karah ksami

Seus pés de lótus foram adorados pelo povo de Mithila (maithilarcita-padabja), Ele honra os outros (manada), Ele ama Seus devotos (bhakta-vatsala), Ele é o guru de Duryodhana (duryodhana-guru), Ele é devotado a Seu guru (gurvi), Ele ensinou a arte de lutar com uma maça (gada-siksa-kara) e é tolerante e perdoador (ksami).

Verso 48

murarir madano mando
‘niruddho dhanvinam varah
kalpa-vrksah kalpa-vrksi
kalpa-vrksa-vana-prabhuh

Ele é o inimigo de Mura (murari), é belo como Kamadeva (madana), é gentil (manda), invencível (aniruddha), o melhor dos arqueiros (dhanvinam vara), uma árvore kalpa-vrksa (kalpa-vrksa e kalpa-vrksi) e o mestre de uma floresta de árvores kalpa-vrksa (kalpa-vrksa-vana-prabhu).

Verso 49

symantaka-manir manyo
gandivi kairavesvarah
kumbhanda-khandana-karah
kupakarna-prahara-krt

Ele é o dono da joia Syamantaka (symantaka-mani), glorioso (manya), o amigo de Arjuna (gandivi), o rei dos Kauravas (kauravesvara), o matador de Kumbandha (kumbhanda-khandana-kara) e o matador de Kupakarna (kupakarna-prahara-krt).

Verso 50

sevyo raivata-jamata
madhu-madhava-sevitah
balistha-pusta-sarvango
hrstah pustah praharsitah

Ele é o objeto final do serviço devocional (sevya), o genro do rei Revata (raivata-jamata), é servido pelo Senhor Krishna e pelos residentes de Mathura (madhu-madhava-sevita), o mais forte em todos os membros (balistha-pusta-sarvanga), feliz (hrsta e praharsita), bem como robusto e forte (pusta).

Verso 51

varanasi-gatah kruddhah
sarvah paundraka-ghatakah
sunandi sikhari silpi
dvividanga-nisudanah

Ele viajou a Varanasi (varanasi-gata). Ele às vezes fica irado (kruddha). Ele é tudo (sarva). Ele matou Paundraka (paundraka-ghataka). Ele carrega a espada Sunanda (sunandi), usa uma coroa (sikhari), é artístico (silpi) e matou Dvivida (dvividanga-nisudana).

Verso 52

hastinapura-sankarsi
rathi kaurava-pujitah
visva-karma visva-dharma
deva-sarma daya-nidhih

Ele arrastou a cidade de Hastinapura (hastinapura-sankarsi), luta habilmente sobre uma quadriga (rathi), é venerado pelos Kauravas (kaurava-pujita), criou o universo (visva-karma), é aquele que dá a religião aos universos (visva-dharma), é a felicidade dos semideuses (deva-sarma) e é um oceano de misericórdia (daya-nidhi).

Verso 53

maha-raja-cchatra-dharo
maha-rajopalaksanah
siddha-gitah siddha-kathah
sukla-camara-vijitah

Ele segura uma sombrinha real (maha-raja-cchatra-dhara), tem todas as qualidades de um grande rei (maha-rajopalaksana), é glorificado pelos siddhas (siddha-gita e siddha-katha) e é abanado por camaras brancas (sukla-camara-vijita).

Verso 54

taraksah kiranasas ca
bimbosthah su-smita-cchavih
karindra-kara-kodandah
pracando megha-mandalah

Seus olhos são estrelas brilhantes (taraksa), Seu nariz é gracioso como o bico de um papagaio (kiranasa), Seus lábios são frutas bimba (bimbostha), Seu sorriso gentil é esplêndido e glorioso (su-smita-cchavi), Seus braços são trombas de elefante (karindra-kara-kodanda), Ele é feroz (pracanda) e é esplêndido como uma hoste de nuvens de monção (megha-mandala).

Verso 55

kapata-vaksah pinamsah
padma-pada-sphurad-dyutih
maha-vibhutir bhuteso
bandha-moksi samiksanah

Seu peito é uma grande porta (kapata-vaksa), Seus ombros são largos (pinamsa), Seus pés são esplêndidas flores de lótus (padma-pada-sphurad-dyuti), Ele é muito poderoso e deslumbrante (maha-vibhuti), é o mestre de todas as entidades vivas (bhutesa), é o libertador do condicionamento material (bandha-moksi) e é o mais sábio e inteligente (samiksana).

Verso 56

caidya-satruh satru-sandho
dantavakra-nisudakah
ajata-satruh papa-ghno
hari-dasa-sahaya-krt

Ele é o inimigo de Sisupala (caidya-satru), o fim de Seus inimigos (satru-sandha), o matador de Dantavakra (dantavakra-nisudaka), aquele que não tem inimigos (ajata-satru), o destruidor dos pecados (papa-ghna) e o aliado dos servos do Senhor Krishna (hari-dasa-sahaya-krt).

Verso 57

sala-bahuh salva-hanta
tirtha-yayi janesvarah
naimisaranya-yatrarthi
gomati-tira-vasa-krt

Seus braços são como palmeiras (sala-bahu). Ele é o matador de Salva (salva-hanta), um peregrino (tirtha-yayi), o mestre de todas as entidades vivas (janesvara), aquele que peregrinou a Naimisaranya (naimisaranya-yatrarthi) e aquele que viveu às margens do rio Gomati (gomati-tira-vasa-krt).

Verso 58

gandaki-snana-van sragvi
vaijayanti-virajitah
amlana-pankaja-dharo
vipasi sona-samplutah

Ele Se banhou no rio Gandaki (gandaki-snana-van), usa uma guirlanda (sragvi), é esplêndido com uma guirlanda Vaijayanti (vaijayanti-virajita), segura um lótus imperecível (amlana-pankaja-dhara), visitou o rio Vipasa (vipasi) e banhou-Se no rio Sona (sona-sampluta).

Verso 59

prayaga-tirtha-rajas ca
sarayuh setu-bandhanah
gaya-siras ca dhanadah
paulastyah pulahasramah

Ele visitou Prayaga, o rei dos locais de peregrinação (prayaga-tirtha-raja), e também visitou o rio Sarayu (sarayu) e Setubandha (setu-bandhana). Ele tocou a cidade sagrada de Gaya com Sua cabeça (gaya-sira). Ele dá riquezas em caridade (dhanada). Ele visitou o sábio Pulastya (paulastya) e visitou o asrama do sábio Pulaha (pulahasrama).

Verso 60

ganga-sagara-sangarthi
sapta-godavari-patih
veni bhimarthi goda
tamraparni vatodaka

Ele visitou o Ganga-sagara (ganga-sagara-sangarthi). Ele é o mestre dos sete Godavaris (sapta-godavari-pati). Ele é os rios Veni (veni), Bhimarathi (bhimarathi), Goda (goda), Tamraparni (tamraparni) e Vatodaka (vatodaka).

Verso 61

krtamala maha-punya
kaveri ca payasvini
pratici suprabha veni
triveni sarayupama

Ele é os rios Krtamala (krtamala), Maha-punya (maha-punya), Kaveri (kaveri), Payasvini (payasvini), Pratici (pratici), Suprabha (suprabha), Veni (veni), Triveni (triveni) e Sarayupama (sarayupama).

Verso 62

krishna pampa narmada ca
ganga bhagirathi nadi
siddhasramah prabhasas ca
bindur bindu-sarovarah

Ele é os rios Krishna (Krishna), Pampa (pampa), Narmada (narmada), Ganga (ganga) e Bhagirathi (bhagirathi). Ele é todos os rios sagrados (nadi). Ele é o Siddhasrama (siddhasrama), o Prabhasa (prabhasa), o Bindu (bindu) e o Bindu-sarovara (bindu-sarovara).

Verso 63

puskarah saindhavo jambu
nara-narayanasramah
kuruksetra-pati ramo
jamadagnyo maha-munih

Ele é Puskara (puskara), Saindhava (saindhava), Jambu (jambu) e Nara-narayanasrama (nara-narayanasrama). É o mestre de Kuruksetra (kuruksetra-pati). Ele é o Senhor Rama (rama). É Parasurama (jamadagnya). É um grande sábio (maha-muni).

Verso 64

ilvalatmaja-hanta ca
sudama-saukhya-dayakah
visva-jid visva-nathas ca
triloka-vijayi jayi

Ele matou Narakasura (ilvalatmaja-hanta), deleitou Sudhama (sudama-saukhya-dayaka), conquistou o universo (visva-jid), é o mestre do universo (visva-natha), o mestre dos três mundos (triloka-vijayi) e é vitorioso (jayi).

Verso 65

vasanta-malati-karsi
gado gadyo gadagrajah
gunarnavo guna-nidhir
guna-patro gunakarah

Ele é glorioso com flores vasanta e malati (vasanta-malati-karsi). Ele é forte como uma grande maça (gada). Ele é perito em lutar com maça (gadya). Ele é o irmão mais velho de Gada (gadagraja). Ele é um oceano de virtudes (gunarnava e guna-nidhi) e um reservatório de virtudes (guna-patra e gunakara).

Verso 66

rangavalli-jalakaro
nirgunah saguno brhat
drstah sruto bhavad bhuto
bhavisyac calpa-vigrahah

Ele Se decora com flores de trepadeiras (rangavalli), desfruta de passatempos aquáticos (jalakara), é transcendental aos modos da natureza material (nirguna), é repleto de qualidades transcendentais (saguna), é o maior (brhat), é visto pelos grandes devotos (drsta), é ouvido pelos grandes devotos (sruta), e é o presente (bhavad), o passado (bhuta) e o futuro (bhavisyat). Ele é a Superalma, cuja forma é tão pequena que Ele permanece em todo átomo (alpa-vigraha).

Verso 67

anadir adir anandah
pratyag-dhama nirantarah
gunatitah samah samyah
sama-drn nirvikalpakah

Ele não tem começo (anadi), é o começo de tudo (adi), é a personificação da bem-aventurança (ananda), é a Superalma no coração de todos (pratyag-dhama), é eterno (nirantara), situa-Se além dos modos da natureza (gunatita), é igual para com todos (sama, samya e nirvikalpaka) e vê todos com equanimidade (sama-drk).

Verso 68

gudha-vyudho guno gauno
gunabhaso gunavrtah
nityo ‘ksaro nirvikaro
‘ksaro ‘jasra-sukho ‘mrtah

Ele é oculto (gudha) e abertamente manifesto (vyudha). É pleno de virtudes transcendentais (guna, gauna, gunabhasa e gunavrta). Ele é eterno (nitya), inacabável (aksara), imutável (nirvikara), imortal (aksara), sempre feliz (ajasra-sukha) e similar ao néctar (amrta).

Verso 69

sarvagah sarvavit sarthah
sama-buddhih sama-prabhah
akledyo ‘cchedya apurno
‘sosyo ‘dahyo nivartakah

Ele é onipresente (sarvaga), onisciente (sarvavit), o mais valioso (sartha), igual para com todos (sama-buddhi e sama-prabha), intocado por água (akledya), inquebrável (acchedya), perfeito e completo (apurna), nunca seco ou definhado (asosya) e nunca queimado pelo fogo (adahya). Ele é o destruidor dos mundos (nivartaka).

Verso 70

brahma brahma-dharo brahma
jnapako vyapakah kavih
adhyatmako ‘dhibhutas ca-
dhidaivah svasrayasrayah

Ele é Brahman (brahma), o sustentáculo do Brahman (brahma-dhara), a origem do semideus Brahma (brahma), o professor supremo (jnapaka), o onipenetrante (vyapaka) e o maior filósofo (kavi). Ele está presente no coração de todas as entidades vivas (adhyatmaka). Ele está presente nos elementos materiais (adhibhuta). Está presente entre os semideuses (adhidaiva). Ele é o refúgio de todos os refúgios (svasrayasraya).

Verso 71

maha-vayur maha-viras
cesta-rupa-tanu-sthitah
prerako bodhako bodhi
trayo-vimsatiko ganah

Ele é o grande vento (maha-vayu). É um grande herói (maha-vira). Como o poder de ação, Ele está em todo corpo (cesta-rupa-tanu-sthita). Ele inspira as entidades vivas (preraka) e as esclarece (bodhaka). Ele é iluminado (bodhi) e é o mestre dos semideuses (trayo-vimsatika-gana).

Verso 72

amsamsas ca naraveso
‘vataro bhupari-sthitah
mahar janas tapah satyam
bhur bhuvah svar iti tridha

Ele Se expande em muitas encarnações (amsamsa). Ele aparece como uma encarnação sakty-avesa (naravesa). Ele faz Seu advento no mundo material (avatara e bhupari-sthita). Ele é Maharloka (mahah), Janaloka (jana), Tapoloka (tapah) e Satyaloka (satyam). Ele é os três sistemas planetários Bhuloka (bhu), Bhuvarloka (bhuvah) e Svarloka (svah).

Verso 73

naimittikah prakrtika
atyantika-mayo layah
sargo visargah sargadir
nirodho rodha utiman

Embora Ele apareça no mundo material (naimittika e prakrtika), Ele é eterno (atyantika-maya). Ele é a devastação cósmica (laya), a criação cósmica (sarga), o estágio secundário da criação (visarga) e o começo da criação (sargadi). Ele é o maior obstáculo (nirodha e rodha) e o maior protetor (utiman).

Verso 74

manvantaravataras ca
manur manu-suto ‘naghah
svayambhuh sambhavah sankuh
svayambhuva-sahaya-krt

Ele aparece como os Manvantaravataras (manvantaravatara). Ele é Manu (manu) e os filhos de Manu (manu-suta). Ele é impoluto (anagha), autogerado (svayambhu) e amigo do Senhor Siva (sambhava). Ele é como uma grande lança (sanku). Ele é o aliado de Svayambhuva Manu (svayambhuva-sahaya-krt).

Verso 75

suralayo deva-girir
merur hemarcito girih
giriso gana-nathas ca
gairiso giri-gahvarah

Ele é a morada dos semideuses (suralaya), o monte dos semideuses (deva-giri), o monte Meru (meru), esplêndido como ouro (hemarcita) e uma grande montanha (giri). Ele fica em uma montanha (girisa). Ele é o mestre dos devotos (gana-natha) e amigo do Senhor Siva (gairisa). Ele fica em uma caverna de montanha (giri-gahvara).

Verso 76

vindhyas trikuto mainakah
subalah paribhadrakah
patangah sisirah kanko
jarudhih saila-sattamah

Ele é as montanhas Vindhya (vindhya), o monte Trikuta (trikuta) e o monte Mainaka (mainaka). Ele é muito poderoso (subala). Ele é a árvore paribhadraka (paribhadraka), o Sol (patanga), o inverno (sisira), Yama (kanka), Jarudhi (jarudhi) e a melhor das montanhas (saila-sattama).

Verso 77

kalanjaro brhat-sanur
dari-bhrn nandikesvarah
santanas taru-rajas ca
mandarah parijatakah

Ele é Kalanjara (kalanjara) e Brhat-sanu (brhat-sanu). Ele fica em uma caverna de montanha (dari-bhrt). Ele é Nandikesvara (nandikesvara), a árvore santana (santana), o rei das árvores (taru-raja), a árvore mandara (mandara) e a árvore parijata (parijataka).

Verso 78

jayanta-krj jayantango
jayanti-dig jayakulah
vrtra-ha devalokas ca
sasi kumuda-bandhavah

Ele é vitorioso (jayanta-krt jayantanga, jayanti-dig e jayakula). Ele é o matador de Vrtra (vrtra-ha). Ele é o planeta dos semideuses (devaloka) e a Lua (sasi e kumuda-bandhava).

Verso 79

naksatresah sudha-sindhur
mrgah pusyah punarvasuh
hasto ‘bhijic ca sravano
vaidhrtir bhaskarodayah

Ele é a Lua (naksatresa), um oceano de néctar (sudha-sindhu), a estrela Mrgasirsa (mrga), a estrela Pusya (pusya), a estrela Punarvasu (punarvasu), a estrela Hasta (hasta), a estrela Abhijit (abhijit) e a estrela Sravana (sravana). Ele é a formação estelar vaidhrti (vaidhrti) e é o nascer do Sol (bhaskarodaya).

Verso 80

aindrah sadhyah subhah suklo
vyatipato dhruvah sitah
sisumaro devamayo
brahmaloko vilaksanah

Ele é a estrela Aindra (aindra). Ele é Sadhyaloka (sadhya). Ele é a conjunção auspiciosa de estrelas (subha). Ele é a quinzena da Lua crescente (sukla). Ele é a condição astrológica conhecida como vyatipata (vyatipata). Ele é Dhruvaloka (dhruva). Ele é a quinzena da Lua crescente (sita), o Sisumara (sisumara), os planetas dos semideuses (devamaya) e Brahmaloka (brahmaloka). Ele situa-Se além do mundo material (vilaksana).

Verso 81

ramo vaikuntha-nathas ca
vyapi vaikuntha-nayakah
svetadvipo jita-pado
lokalokacalasritah

Ele é o Senhor Rama (rama). Ele é o mestre de Vaikuntha (vaikuntha-natha e vaikuntha-nayaka). Ele é onipresente (vyapi), o mestre de Svetadvipa (svetadvipa), aquele que conquistou tudo

(jita-pada) e aquele que fica no monte Lokaloka (lokalokacalasrita).

Verso 82

bhumi-vaikuntha-devas ca
koti-brahmanda-karakah
asankhya-brahmanda-patir
golokeso gavam-patih

Ele é o mestre de Bhumi-vaikuntha (bhumi-vaikuntha-deva), o criador de milhões de universos (koti-brahmanda-karaka), o mestre de incontáveis universos (asankhya-brahmanda-pati), o mestre de Goloka (golokesa) e o mestre das vacas (gavam-pati).

Verso 83

goloka-dhama-dhisano
gopika-kantha-bhusanah
sridharah sridharo lila-
dharo giri-dharo dhuri

Ele reside em Goloka (goloka-dhama-dhisana). Os abraços das gopis se tornaram Seu colar (gopika-kantha-bhusana). Ele é o mestre da deusa da fortuna (sridhara). Ele é o mestre de toda beleza, glória e opulência (sridhara). Ele é brincalhão (lila-dhara). Ele ergueu a colina Govardhana (giri-dhara). Ele é o mantenedor do mundo (dhuri).

Verso 84

kunta-dhari trisuli ca
bibhatsi gharghara-svanah
sula-sucy-arpita-gajo
gaja-carma-dharo gaji

Ele é o Senhor Shiva, que carrega um tridente (kunta-dhari e trisuli), que é aterrador (bibhatsi), que brame ferozmente (gharghara-svana), que atacou um elefante com seu tridente (sula-sucy-arpita-gaja), que usa uma veste de pele de elefante (gaja-carma-dhara) e que anda sobre um elefante (gaji).

Verso 85

antra-mali munda-mali
vyali dandaka-mandaluh
vetala-bhrd bhuta-sanghah
kusmanda-gana-samvrtah

Ele é o Senhor Nrsimha, que usa uma guirlanda de entranhas (antra-mali). Ele é o Senhor Siva, que usa um colar de crânios (munda-mali), que é bárbaro (vyali), que carrega uma maça (dandaka-mandalu), que é acompanhado por vetalas (vetala-bhrd), fantasmas (bhuta-sangha) e kusmandas (kusmanda-gana-samvrta).

Verso 86

pramathesah pasu-patir
mrdaniso mrdo vrsah
krtanta-kala-sangharih
kutah kalpanta-bhairavah

Ele é o Senhor Siva, que é o mestre dos pramathas (pramathesa), o mestre dos pasus (pasu-pati), o esposo de Parvati (mrdanisa), gentil (mrda), poderoso (vrsa), o matador de Seus inimigos (krtanta-kala-sanghari), o mais elevado (kuta) e aquele que aparece como Bhairava no fim dos tempos (kalpanta-bhairava).

Verso 87

sad-anano vira-bhadro
daksa-yajna-vighatakah
kharparasi visasi ca
sakti-hastah sivarthadah

Ele é Karttikeya, que tem seis cabeças (sad-anana). Ele é Virabhadra (vira-bhadra). Ele arruinou o sacrifício de Daksa (daksa-yajna-vighataka). Ele como em uma tigela que é um crânio (kharparasi). Ele bebê veneno (visasi), segura uma arma sakti em Sua mão (sakti-hasta) e confere auspiciosidade (sivarthada).

Verso 88

pinaka-tankara-karas
cala-jhankara-nupurah
panditas tarka-vidvan vai
veda-pathi srutisvarah

Quando Ele dispara flechas de Seu arco, o mesmo produz um som metálico alto (pinaka-tankara-kara). Ele usa tornozeleiras tilintantes (cala-jhankara-nupura). Ele é erudito (pandita), mestre em lógica (tarka-vidvan), conhecedor dos Vedas (veda-pathi) e mestre dos Vedas (srutisvara).

Verso 89

vedanta-krt sankhya-sastri
mimamsi kana-nama-bhak
kanadir gautamo vadi
vado naiyayiko nayah

Ele é o autor do Vedanta (vedanta-krt), douto em sankhya (sankhya-sastri), entendido em Mimamsa (mimamsi), conhecido pelo nome Kanada (kana-nama-bhak e kanadi), conhecido como Gautama (gautama) e exímio em debates filosóficos (vadi, vada, naiyayika e naya).

Verso 90

vaisesiko dharma-sastri
sarva-sastrartha-tattva-gah
vaiyakarana-krc chando
vaiyyasah prakrtir vacah

Ele domina a filosofia vaisesika (vaisesika), é versado nos dharma-sastras (dharma-sastri), versado em todas as escrituras (sarva-sastrartha-tattva-ga), o autor da gramática (vaiyakarana-krt), versado nas métricas poéticas (chanda), o filho de Vyasa (vaiyyasa), a natureza (prakrti) e a fala (vacah).

Verso 91

parasari-samhita-vit
kavya-krn nataka-pradah
pauranikah smrti-karo
vaidyo vidya-visaradah

Ele é versado no Parasara-sastra (parasari-samhita-vit), poeta (kavya-krt), aquele que criou o teatro (nataka-prada), conhecedor dos Puranas (pauranika), autor dos Vedas (smrti-kara), o primeiro médico (vaidya) e muito entendido (vidya-visarada).

Verso 92

alankaro laksanartho
vyangya-viddhanavad-dhvanih
vakya-sphotah pada-sphotah
sphota-vrttis ca sartha-vit

Ele é os ornamentos dos poemas (alankara), o significado secundário das palavras (laksanartha), o significado aludido das palavras (vyangya-viddhanavad-dhvani) e o primeiro significado que vem à mente quando se ouve uma declaração (vakya-sphota, pada-sphota e sphota-vrtti). Ele conhece o significado das palavras (sartha-vit).

Verso 93

srngara ujjvalah svaccho
‘dbhuto hasyo bhayanakah
asvattho yava-bhoji ca
yava-krito yavasanah

Ele é a decoração (srngara), o esplendor (ujjvala e svaccha), a maravilha (adbhuta), a brincadeira (hasya), o medo (bhayanaka), a figueira-de-bengala (asvattha) e o filósofo Kanada (yava-bhoji, yava-krita e yavasana).

Verso 94

prahlada-raksakah snigdha
aila-vamsa-vivardhanah
gatadhir ambarisango
vigadhir gadhinam varah

Ele é o protetor de Prahlada (prahlada-raksaka), afetuoso (snigdha), a glória da dinastia Aila (aila-vamsa-vivardhana), livre de ansiedade (gatadhi), Ambarisa (ambarisanga), Gadhi (vigadhi), o melhor dos descendentes de Gadhi (gadhinam vara).

Verso 95

nana-mani-samakirno
nana-ratna-vibhusanah
nana-puspa-dharah puspi
puspa-dhanva su-puspitah

Ele Se decora com muitas joias (nana-mani-samakirna e nana-ratna-vibhusana) e com muitas flores (nana-puspa-dhara, puspi e su-puspita). Ele é Kamadeva, que segura um arco de flores (puspa-dhanva).

Verso 96

nana-candana-gandhadhyo
nana-puspa-rasarcitah
nana-varna-mayo varno
nana-vastra-dharah sada

Ele é fragrante com pasta de sândalo (nana-candana-gandhadhya), passa em Si essências fragrantes de muitas flores (nana-puspa-rasarcita), decora-se com vestes e adornos de muitas cores (nana-varna-maya), é glorioso (varna), sempre veste trajes opulentos e elaborados (nana-vastra-dhara sada).

Verso 97

nana-padma-karah kausi
nana-kauseya-vesa-dhrk
ratna-kambala-dhari ca
dhauta-vastra-samavrtah

Ele segura muitas flores de lótus em Sua mão (nana-padma-kara), veste trajes de seda (kausi nana-kauseya-vesa-dhrk), usa um manto de joias (ratna-kambala-dhari) e traja vestes limpas e esplêndidas (dhauta-vastra-samavrta).

Verso 98

uttariya-dharah purno
ghana-kancuka-sanghavan
pitosnisah sitosniso
raktosniso dig-ambarah

Ele usa uma veste superior (uttariya-dhara). Ele é perfeito (purna). Usa uma forte armadura (ghana-kancuka-sanghavan), um turbante amarelo (pitosnisa), um turbante branco (sitosnisa) ou um turbante vermelho (raktosnisa). Algumas vezes, tem as quatro direções como Suas vestes (dig-ambara).

Verso 99

divyango divya-racano
divya-loka-vilokitah
sarvopamo nirupamo
golokanki-krtanganah

Seus membros são esplêndidos (divyanga), Ele Se decora com grande esplendor (divya-racana), os residentes de Devaloka contemplam-nO (divya-loka-vilokita), Ele é o melhor de todos (sarvopama), Ele é inigualável (nirupama) e Ele fica com Seus companheiros no reino de Goloka (golokanki-krtangana).

Verso 100

krta-svotsanga-go lokah
kundali-bhuta asthitah
mathuro mathura-darsi
calat-khanjana-locanah

Ele fica em Goloka (krta-svotsanga-goloka), Ele é o Senhor Ananta (kundali-bhuta), Ele é onipresente (asthita), Ele fica em Mathura (mathura), Ele contempla as belezas de Mathura (mathura-darsi) e Seus olhos são como inquietos pássaros khanjanas (calat-khanjana-locana).

Verso 101

dadhi-harta dugdha-haro
navanita-sitasanah
takra-bhuk takra-hari ca
dadhi-caurya-krta-sramah

Quando criança, rouba iogurte (dadhi-harta), é um ladrão de manteiga (dugdha-hara), um comedor de manteiga (navanita-sitasana), um bebedor de manteiga (takra-bhuk), um ladrão de leitelho (takra-hari) e aquele que rouba iogurte até ficar cansado (dadhi-caurya-krta-srama).

The Butter Thieves

Comedor de manteiga (navanita-sitasana).

Verso 102

prabhavati-baddha-karo
dami damodaro dami
sikata-bhumi-cari ca
bala-kelir vrajarbhakah

Quando criança, Suas mãos foram amarradas por Sua poderosa mãe (prabhavati-baddha-kara), Ele foi amarrado (dami), Ele foi amarrado pela cintura (damodara), Ele foi imobilizado (dami), Ele engatinhou pelo chão (sikata-bhumi-cari) e desfrutou das diversões de uma criança (bala-keli). Ele foi um menininho em Vraja (vrajarbhaka).

Verso 103

dhuli-dhusara-sarvangah
kaka-paksa-dharah sudhih
mukta-keso vatsa-vrndah
kalindi-kula-viksanah

Quando criança, todo o Seu corpo era às vezes coberto de poeira (dhuli-dhusara-sarvanga), foi decorado por penas de corvo (kaka-paksa-dhara), era inteligente (sudhi), Seus cabelos às vezes ficavam desgrenhados (mukta-kesa), Ele ficava com os bezerros (vatsa-vrnda) e olhava para as margens do Yamuna (kalindi-kula-viksana).

Verso 104

jala-kolahali kuli
panka-prangana-lepakah
sri-vrndavana-sancari
vamsivata-tata-sthitah

Ele brincou nas ondas do Yamuna (jala-kolahali) e nas suas margens (kuli). Conforme engatinhava no quintal, ficava sujo de lama (panka-prangana-lepaka). Ele vagueou pela floresta de Vrndavana (sri-vrndavana-sancari) e descansou em Vamsivata (vamsivata-tata-sthita).

Verso 105

mahavana-nivasi ca
lohargala-vanadhipah
sadhuh priyatamah sadhyah
sadhv-iso gata-sadhvasah

Ele residiu em Mahavana (mahavana-nivasi), foi o rei de Lohargalavana (lohargala-vanadhipa), um grande santo (sadhu), o mais querido (priyatama), aquele obtenível pelos devotos (sadhya), o Senhor dos devotos (sadhv-isa) e o destemido (gata-sadhvasa).

Verso 106

ranga-natho vittaleso
mukti-natho ‘gha-nasakah
su-kirtih su-yasah sphito
yasasvi ranga-ranjanah

Ele é o Senhor de Rangaksetra (ranga-natha), o Senhor de Vittala (vittalesa), o Senhor da libertação (mukti-natha), o destruidor dos pecados (agha-nasaka), o glorioso (su-kirti, su-yasa, sphita e yasasvi) e o deleito dos devotos (ranga-ranjana).

Verso 107

raga-satko raga-putro
ragini-ramanotsukah
dipako megha-mallarah
sri-rago mala-kosakah

Ele é os seis tipos de ragas (raga-satka). Ele é os ragas Raga-putra (raga-putra), Ragini-ramanotsuka (ragini-ramanotsuka), Dipaka (dipaka), Megha-mallara (megha-mallara), Sri-raga (sri-raga) e Mala-kosaka (mala-kosaka).

Verso 108

hindolo bhairavakhyas ca
svara-jati-smaro mrduh
talo mana-pramanas ca
svara-gamyah kalaksarah

Ele é os ragas Hindola (hindola) e Bhairava (bhairavakhya). Ele é o amor nascido pela audição de belas melodias (svara-jati-smara). Ele é amável (mrdu). Ele é os ritmos musicais graciosos (tala e mana-pramana). Ele é a melodia (svara-gamya) e o cantar atrativo (kalaksara).

Verso 109

sami syami satanandah
sata-yamah sata-kratuh
jagarah supta asuptah
susuptah svapna urvarah

Ele é autocontrolado (sami). Ele é o Senhor Krishna de cor escura (syami). Ele tem uma centena de bem-aventuranças (satananda), Ele perdoa cem ofensas (sata-yama), Ele fez cem yajnas (sata-kratu), Ele permanece acordado e alerta (jagara), Ele dorme (supta, asupta, susupta, svapna) e Ele é grande (urvara).

Verso 110

urjah sphurjo nirjaras ca
vijvaro jvara-varjitah
jvara-jij jvara-karta ca
jvara-yuk tri-jvaro jvarah

Ele é o poder (urja) e a glória (sphurja). Ele é livre da febre da ansiedade (nirjara, vijvara, jvara-varjita e jvara-jit). Ele incita a febre da ansiedade nos demônios (jvara-karta), Ele é passional, (jvara-yuk), é as três paixões (tri-jvara) e é a paixão (jvara).

Verso 111

jambavan jambukasanki
jambudvipo dvipari-ha
salmalih salmali-dvipah
plaksah plaksavanesvarah

Ele é Jambavan (jambavan), Ele não confia nos demônios (jambukasanki), Ele reside em Jambudvipa (jambudvipa), Ele matou um elefante que O atacou (dvipari-ha), Ele é Salmali (salmali), Ele reside em Salmalidvipa (salmali-dvipa), Ele é Plaksa (plaksa) e Ele é o mestre da floresta Plaksavana (plaksavanesvara).

Verso 112

kusa-dhari kusah kausi
kausikah kusa-vigrahah
kusasthali-patih kasi-
natho bhairava-sasanah

Ele segura uma palha de grama kusa (kusa-dhari, kusa, kausi, kausika e kusa-vigraha). Ele é o rei de Dvaraka (kusasthali-pati), o rei de Varanasi (kasi-natha) e o mestre de Bhairava (bhairava-sasana).

Verso 113

dasarhah satvato vrsnir
bhojo ‘ndhaka-nivasa-krt
andhako dundubhir dyotah
pradyotah satvatam-patih

Ele é o grande descendente do rei Dasarha (dasarha) e um grande rei da dinastia Satvata (satvata), da dinastia Vrsni (vrsni) e da dinastia Bhoja (bhoja). Ele fica entre os reis da dinastia Andhaka (andhaka-nivasa-krt e andhaka). Ele é glorificado pelo som de tambores Dundubhi (dundubhi). Ele é glorioso (dyota e pradyota). Ele é o mestre dos Satvatas (satvatam-pati).

Verso 114

suraseno ‘nuvisayo
bhoja-vrsny-andhakesvarah
ahukah sarva-niti-jna
ugraseno mahogra-vak

Ele é Surasena (surasena), Anuvisaya (anuvisaya), o rei dos Bhojas, Vrsnis e Andhakas (bhoja-vrsny-andhakesvara), Ahuka (ahuka). Ele sabe o que é certo (sarva-niti-jna), é Ugrasena (ugrasena) e sabe falar muito braviamente (mahogra-vak).

Verso 115

ugrasena-priyah prarthyah
paryo yadu-sabha-patih
sudharmadhipatih sattvam
vrsni-cakravrto bhisak

Ele é querido ao rei Ugrasena (ugrasena-priya), os devotos oferecem orações a Ele (prarthya), Ele é os Pandavas (partha), Ele é o líder dos Yadavas reunidos (yadu-sabha-pati), é o líder da assembleia Sudharma (sudharmadhipati), é a existência (sattvam), é rodeado pelos Vrsnis (vrsni-cakravrta) e é o médico supremo (bhisak).

Verso 116

sabha-silah sabha-dipah
sabhagnis ca sabha-ravih
sabha-candrah sabha-bhasah
sabha-devah sabha-patih

Ele é um augusto membro da assembleia (sabha-sila), Ele é uma candeia brilhando na assembleia (sabha-dipa), o fogo da assembleia (sabhagni), o Sol da assembleia (sabha-ravi), a Lua da assembleia (sabha-candra), o esplendor da assembleia (sabha-bhasa), a Deidade da assembleia (sabha-deva) e o mestre da assembleia (sabha-pati).

Verso 117

prajarthadah praja-bharta
praja-palana-tat-parah
dvaraka-durga-sancari
dvaraka-graha-vigrahah

Ele satisfaz os desejos dos cidadãos (prajarthada), mantém os cidadãos (praja-bharta), protege os cidadãos (praja-palana-tat-para), guarda o forte de Dvaraka (dvaraka-durga-sancari) e fica em Dvaraka (dvaraka-graha-vigraha).

Verso 118

dvaraka-duhkha-samharta
dvaraka-jana-mangalah
jagan-mata jagat-trata
jagad-bharta jagat-pita

Ele remove todo sofrimento de Dvaraka (dvaraka-duhkha-samharta). Ele é a auspiciosidade dos cidadãos de Dvaraka (dvaraka-jana-mangala), a mãe dos universos (jagan-mata), o protetor dos universos (jagat-trata), o mantenedor dos universos (jagad-bharta) e o pai dos universos (jagat-pita).

Verso 119

jagad-bandhur jagad-bhrata
jagan-mitro jagat-sakhah
brahmanya-devo brahmanyo
brahma-pada-rajo-dadhat

Ele é o amigo dos universos (jagad-bandhu, jagan-mitra e jagat-sakha), o criador dos universos (jagad-dhata) e a Deidade adorada pelos brahmanas (brahmanya-deva e brahmanya). Ele toca respeitosamente a poeira dos pés dos brahmanas (brahma-pada-rajo-dadhat).

Verso 120

brahma-pada-rajah-sparsi
brahma-pada-nisevakah
vipranghri-jala-putango
vipra-seva-parayanah

Ele respeitosamente toca a poeira dos pés dos brahmanas (brahma-pada-rajah-sparsi), serve os pés dos brahmanas (brahma-pada-nisevaka), purifica-Se gotejando sobre Sua cabeça a água que lavou os pés dos brahmanas (vipranghri-jala-putanga) e serve devotadamente os brahmanas (vipra-seva-parayana).

Verso 121

vipra-mukhyo vipra-hito
vipra-gita-maha-kathah
vipra-pada-jalardrango
vipra-padodaka-priyah

Ele é o melhor dos brahmanas (vipra-mukhya), a auspiciosidade dos brahmanas (vipra-hita), o mestre supremo cujas glórias são cantadas pelos brahmanas (vipra-gita-maha-katha), e o mestre supremo que goteja sobre Si a água que lavou os pés dos brahmanas (vipra-pada-jalardranga e vipra-padodaka-priya).

Verso 122

vipra-bhakto vipra-gurur
vipro vipra-padanugah
aksauhini-vrto yoddha
pratima-panca-samyutah

Ele é devotado aos brahmanas (vipra-bhakta), o guru dos brahmanas (vipra-guru), um brahmana (vipra), um seguidor dos brahmanas (vipra-padanuga), é acompanhado de uma divisão militar aksauhini (aksauhini-vrta), é um grande combatente (yoddha) e manifesta-Se como cinco Deidades (pratima-panca-samyuta).

Verso 123

catur angirah padma-varti
samantoddhrta-padukah
gaja-koti-prayayi ca
ratha-koti-jaya-dhvajah

Ele é Catu (catu), Angira (angira) e Padmavarti (padma-varti). Samanta Muni adora Seus pés de lótus (samantoddhrta-paduka). É poderoso como dez milhões de elefantes (gaja-koti-prayayi). Sua bandeira de vitória tremula sobre a derrota de dez milhões de guerreiros que lutam sobre quadrigas (ratha-koti-jaya-dhvaja).

Verso 124

maharathas catiratho
jaitram syandanam asthitah
narayanastri brahmastri
rana-slaghi ranodbhatah

Ele é um grande combatente sobre quadriga (maharatha e atiratha). Ele anda em uma quadriga da vitória (jaitram-syandanam-asthita). Ele maneja a arma narayanastra (narayanastri) e a arma brahmastra (brahmastri). Ele é um guerreiro famoso (rana-slaghi e ranodbhata).

Verso 125

madotkato yuddha-viro
devasura-bhayankarah
kari-karna-marut-prejat-
kuntala-vyapta-kundalah

Ele é um guerreiro violento (madotkata), um herói em batalha (yuddha-vira) e amedrontador mesmo aos semideuses e demônios (devasura-bhayankara). Agitado ao vento, Seus longos cabelos e brincos são como as grandes orelhas de um elefante (kari-karna-marut-prejat-kuntala-vyapta-kundala).

Verso 126

agrago vira-sammardo
mardalo rana-durmadah
bhatah pratibhatah procyo
bana-varsisutoyadah

Ele é o primeiro de todos (agraga). Ele esmaga os guerreiros inimigos em batalha (vira-sammarda, mardala, rana-durmada, bhata e pratibhata). É glorioso (procya). Ele derrama uma chuva de flechas sobre o inimigo (bana-varsi e isu-toyada).

Verso 127

khadga-khandita-sarvangah
sodasabdah sad-aksarah
vira-ghosah klista-vapur
vajrango vajra-bhedanah

Com Sua espada, Ele corta o inimigo em pedaços (khadga-khandita-sarvanga). Ele é eternamente um jovem de dezesseis anos (sodasabda). Ele não é tocado pelas seis aflições materiais (sad-aksara). Ele urra heroicamente (vira-ghosa). Ele aflige Seus inimigos (klista-vapu). Seus membros são poderosos como uma série de raios (vajranga). Ele despedaça as armas de raio de Seus inimigos (vajra-bhedana).

Verso 128

rugna-vajro bhagna-dantah
satru-nirbhartsanodyatah
atta-hasah patta-dharah
patta-rajni-patih patuh

Ele quebra as armas de raio de Seus inimigos (rugna-vajra). Ele quebra os dentes de Seus inimigos (bhagna-danta). Ele repreende Seus inimigos (satru-nirbhartsanodyata). Ele ri alto (atta-hasa). Ele veste trajes de seda (patta-dhara). Ele é o esposo de uma nobre rainha (patta-rajni-pati). Ele é muito inteligente (patu).

Verso 129

kalah pataha-vaditro
hunkaro garjita-svanah
sadhur bhakta-paradhinah
svatantrah sadhu-bhusanah

Ele é o tempo (kala). Tambores pataha são tocados para celebrar Sua vitória (pataha-vaditra). Ele urra ferozmente (hunkara e garjita-svana). Ele é santo (sadhu), submisso a Seus devotos (bhakta-paradhina) e independente (svatantra), e Se decora com os ornamentos das qualidades santas (sadhu-bhusana).

Verso 130

asvatantrah sadhumayah
sadhu-grasta-mana manak
sadhu-priyah sadhu-dhanah
sadhu-jnatih sudha-ghanah

Ele não é independente (asvatantra). Ele é dependente de Seus devotos (sadhumaya). Seu coração fica absorto em pensar em Seus devotos (sadhu-grasta-mana). Ele ama Seus devotos e eles O amam (sadhu-priya). Ele é caridoso com Seus devotos (sadhu-dhana). Ele é parente de Seus devotos (sadhu-jnati). Ele é uma nuvem de monção de néctar (sudha-ghana).

Verso 131

sadhu-cari sadhu-cittah
sadhu-vasi subhaspadah
iti namnam sahasram tu
balabhadrasya kirtitam

Ele fica entre Seus devotos (sadhu-cari e sadhu-vasi). Seus devotos ficam em Seu coração (sadhu-citta). Ele é a morada da auspiciosidade (subhaspada). Estes são os mil nomes do Senhor Balarama.

.

Se gostou deste material, também gostará destes: A Grande Deusa, Seus Símbolos e a Liberação, A Grande Noite de Shiva.

. 

Se gostou deste material, também gostará do conteúdo destas obras:

19 I (obras completas - expansões de krishna) Os Mil Nomes de Balarama (comemorado 20) (11) 19 I (obras completas - expansões de krishna) Os Mil Nomes de Balarama (comemorado 20) (10)

Uma resposta

  1. Sim, amei os Santos Nomes do Senhor Hari! Preciso retirar na impressora. Sempre devemos saber quais são os Santos Nomes de BALARAMA ou KRSNA!

    20 de agosto de 2013 às 3:29 PM

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s